Moradores da RM do Rio são os que mais vivem em apartamentos no País | Diário do Porto


Imóveis

Moradores da RM do Rio são os que mais vivem em apartamentos no País

Pesquisa do site Quinto Andar revela que 23% dos imóveis da Região Metropolitana do Rio são apartamentos, maior percentual entre os grandes centros do País

23 de fevereiro de 2022

Vinte e três por cento dos imóveis da Região Metropolitana do Rio são apartamentos, maior índice entre os grandes Centros do País (Riotur /Fernando Maia)

Compartilhe essa notícia:


Os moradores da Região Metropolitana do Rio de Janeiro são os que mais vivem em apartamentos quando comparado com a média nacional dos grandes conglomerados urbanos do País, aponta o Censo QuintoAndar de Moradia – estudo inédito da plataforma de moradia realizado em parceria com o Instituto Datafolha. A pesquisa revela que 23% dos moradores da região vivem nesse tipo de imóvel, um percentual maior que os das regiões metropolitanas de São Paulo (21%) e Belo Horizonte (17%). Segundo o levantamento, os outros 77% são compostos por casas de ruas abertas (56%) e casas de condomínios/vilas (20%). A média de idade de construção dos imóveis da região é de 31 anos.

A pesquisa revela que para 82% dos entrevistados ter sua própria moradia é um sonho. Em uma escala de 0 a 10, para os moradores da Região Metropolitana do Rio, ter casa própria (9.6) é mais importante do que se casar (6.9), ter filhos (7.5) e um carro (7.7), mas fica atrás da profissão e estabilidade financeira (ambas com 9.7).

O estudo também indica que 70% dos entrevistados já são donos de sua moradia – 63% quitados e 7% financiados. Sobre as características dos imóveis, 66% possuem quintal ou área externa e 61% têm varanda.  6% possuem escritório para  home office, demanda crescente em meio à pandemia. Na Região Metropolitana do Rio, 27% dos entrevistados relataram trabalhar remotamente com mais frequência.

A casa é o lugar favorito de 95% dos moradores da região e, para 75% dos entrevistados, é onde passam a maior parte do tempo. Seguindo uma tendência nacional, a maior parte dos imóveis possui dois quartos e esse é o cômodo eleito como favorito nas residências.

Pandemia mudou relação dos moradores com suas casas

A pesquisa aponta que a relação do morador com a sua casa mudou durante a pandemia, indicando que a maioria dos entrevistados passou a realizar tarefas domésticas, fazer orações e cozinhar com mais frequência neste período. O que não mudou foi o amor e o espaço cedido aos animais de estimação: cerca de 57% dos entrevistados possuem pets, sendo os cachorros os maiores companheiros (43%), seguidos pelos gatos (22%) e pássaros/aves (5%).

Ao todo, foram realizadas 3.186 entrevistas com pessoas na idade a partir de 21 anos, em todas as cinco regiões do país (Sudeste, Sul, Norte, Nordeste e Centro-Oeste). Há, ainda, uma amostra representativa das regiões metropolitanas de Rio, São Paulo e Belo Horizonte e dos macro polos da Baixada Santista e de Ribeirão Preto. A pesquisa foi feita por meio de entrevistas pessoais em pontos de fluxo populacional entre os dias 11 e 21 de outubro de 2021 e tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos para o total da amostra.


LEIA TAMBÉM:

Rio poderá ter 2 cassinos, prevê projeto de lei

Grupos estrangeiros investem mais de R$ 1 bilhão em Vasco e Botafogo

IFec RJ completa três anos de apoio ao empresário do RJ

 


/