Mistério sempre há de pintar por aqui | Diário do Porto


Para ler na rede

Mistério sempre há de pintar por aqui

É apaixonado por histórias de suspenses e mistérios? Olga de Mello recomenda dois bons livros que vão garantir boas horas de leitura. Confira!

4 de julho de 2022

"O canto do violino", de Bruno Thys usa a música como fio condutor da trama (foto: reprodução/internet)

Compartilhe essa notícia:


Para ler na rede

Olga de Mello

Olga de Mello

Mesmo sem o esoterismo imortalizado com a frase imortalizada por mestre Gilberto Gil – e usada neste título –, um bom mistério pode fazer diferença na atenção para uma história que esconde os mais diversos subtextos. O mistério é a atração, a nicotina que vai viciar o leitor naquelas bem-traçadas linhas, e disso sabia o jornalista Bruno Thys ao
enveredar pela ficção com O canto do violino (Máquina de livros, R$ 48,90). Depois de percorrer as redações cariocas em diferentes funções, Thys montou sua própria editora, especializada em livros de não-ficção, sempre assinados por jornalistas. Em seu primeiro romance, não deixa de lado a informação, que emerge da pesquisa de um advogado e musicista amador sobre a identidade do proprietário de um velho violino.

O violino, sim, acaba no canto. Tanto porque Carlos, o advogado, interessa a tal ponto pelo processo de desvendar o passado que abandona as aulas de música. Dentro do violino há uma estrela de Davi e um pergaminho com uma frase em hebraico, que, descobre Carlos, deveria ter estado dentro de uma mezuzá, a peça tradicionalmente afixada no umbral da porta das famílias judaicas. A jornada de Carlos à procura da identidade do antigo dono do violino é uma apresentação da cultura judaica a leigos que pouco sabem dos costumes de um povo espalhado mundo afora e perseguido historicamente, embora um deles tenha inspirado a religião mais difundida no Ocidente, o cristianismo.


LEIA TAMBÉM:

Alerj expõe Di Cavalcanti em nova sede

Cury já vendeu 200 unidades do Pateo Nazareth

RioHarpFestival vai reunir 150 músicos em concertos gratuitos


Sem mágoas ou rancores dos personagens judeus que emergem para entregar dados a Carlos, as tradições judaicas afloram a cada página, numa investigação que se desenrola com a lentidão da burocracia brasileira diante da curiosidade acerca de alguém que sobreviveu à perseguição nazista, fugindo para o Rio de Janeiro para uma existência solitária, ligada apenas à comunidade religiosa de Copacabana. Os passos do velho refugiado trazem sempre um dado novo sobre os costumes dos judeus, sua fé e a moral que os mantêm fortalecidos, embora vistos,
muitas vezes, como estrangeiros dentro dos países onde nasceram.

O mistério que mantém acesa a curiosidade de quem lê Os abismos (Intrínseca, R$ 59,90), de Pilar Quintana, é o suspense por um desfecho que parece prestes a acontecer a cada capítulo. A menina Cláudia descreve o cotidiano da mãe, indiferente à filha, a quem deu seu próprio nome. O casamento com um homem bem mais velho garantiu a
confortável sobrevivência à Cláudia adulta, que, no entanto alterna períodos de profunda depressão e exuberância, além da obsessão em cuidar de plantas que se espalham pelos cômodos do apartamento em Cali, na Colômbia.

O pai provedor traz equilíbrio físico às duas Cláudias, que estão sempre à beira do desabamento emocional, ansiosas por uma existência invejada e gloriosa como as das celebridades retratadas em revistas populares. O fim da inocência da jovem Cláudia é lento, observando as paixões da mãe e a segurança quase inabalável do pai, que oferece uma generosa estrutura material, alicerçada em sua solidez financeira. Quem perde o prumo com reviravoltas gradativas, na dose exata de dramaticidade da vida real, é o leitor. Os personagens tropeçam, mas se apoiam uns nos outros para continuar a colecionar decepções e alegrias diminutas em suas trajetórias solitárias e solidárias.


/