Maricá recebe Suplicy para falar de Renda Básica | Diário do Porto


Política

Maricá recebe Suplicy para falar de Renda Básica

Ex-senador, Eduardo Suplicy está em video no YouTube gravado em Maricá, em que discute a aplicação da moeda social Mumbuca, que mudou a cidade

3 de setembro de 2021

Eduardo Suplicy debateu renda básica de cidadania em evento em Maricá (foto Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


Já está disponível no YouTube o vídeo da 3ª Edição do Ciclo de debates “A Revolução Social de Maricá”, que teve a participação do ex-senador Eduardo Suplicy como grande destaque do encontro mediado pelo vice-prefeito da cidade, Diego Zeidan.

A conversa entre os dois, que também contou com o ex-prefeito Washington Quaquá, teve como pauta a Renda Básica da Cidadania (RBC), uma iniciativa criada em 2004 por Suplicy, quando atuava no Senado. Hoje ele é vereador da cidade de São Paulo. E Maricá se transformou em referência nacional por aplicar suas ideias. O vídeo pode ser visto aqui.

A Renda Básica se tornou uma lei nacional há duas décadas, porém Maricá é o único município do país que a aplica de forma integral, desde 2013, na gestão de Washington Quaquá. Naquele ano, os moradores que se encontravam em situação de vulnerabilidade econômica passaram a receber uma renda extra. Desde então, quem mora na cidade tem garantido o direito a alimentação, cuidados médicos, habitação e outros serviços.

Maricá tem 40 mil moradores recebendo Renda Básica

A versão de Maricá para a Renda Básica é a moeda social Mumbuca, um cartão com crédito inicialmente distribuído para 400 famílias. A inovação foi que o cartão só pode ser usado no próprio comércio da cidade, o que ativa a economia local, gera empregos e aumenta a arrecadação. Atualmente o cartão beneficia 40 mil moradores de Maricá, o que é cerca de um quarto da população.

No vídeo, Suplicy explica como teve a ideia da Renda Básica universal. “Nos anos 60, 70, ouvi falar de garantia de uma renda mínima. Então, quando cheguei ao Senado, apresentei essa proposta. Ela foi aceita pelo relator com entusiasmo. Não teve nenhum voto contrário. Um grande problema eram as famílias carentes, que obrigavam as crianças a trabalhar muito pequenas, com 7, 8 anos, num círculo vicioso. Assim, cortaríamos o elo da pobreza no Brasil”, afirma o ex-senador.

No encontro, discutiu-se também as políticas sociais adotadas antes e durante a pandemia, os programas emergenciais que mantiveram empregos e empresas abertas, e o futuro da economia da cidade quando se encerrar o ciclo do petróleo.

“Essa foi uma aula completa e das mais entusiasmadas que eu já dei. Parabéns à Maricá. Que boa coisa vocês têm feito para que isso se torne realidade. Eu espero vir aqui mais vezes, conversar com a população sobre essas oportunidades que estão sendo dadas a elas”, disse Suplicy.


LEIA TAMBÉM:

Alerj aprova Programa Rio Sem LGBTQIA+fobia

Gruta do Amor, em Arraial do Cabo, é cenário do Sesc RJ na Estrada

SEFAZ aguarda dados do setor aéreo para redução de ICMS

 


/