Maricá promove Semana dos Direitos Humanos | Diário do Porto


Cidadania

Maricá promove Semana dos Direitos Humanos

Campanhas de doação de sangue, contra violência à mulher e espetáculos de teatro são algumas das atividades que serão realizadas em diferentes pontos de Maricá

4 de dezembro de 2021

Maricá terá semana dedicada aos direitos humanos e cidadania (divulgação/Pref. Maricá)

Compartilhe essa notícia:


Com o slogan “A solução está em nossas mãos”, a Prefeitura de Maricá realiza, entre os dias 6 e 11 de dezembro, a 3ª Semana dos Direitos Humanos, promovendo diversas atividades que serão realizadas em diferentes pontos da cidade. O evento busca conscientizar os moradores sobre os próprios direitos, despertando a sensibilidade de cada um para um olhar mais humanizado sobre muitas questões que, atualmente, são vistas com indiferença ou pré-conceitos.

A programação contempla campanhas de doação de sangue e pelo fim da violência contra as mulheres; apresentações de teatro e dança; exibição de filmes sobre a democracia; oficinas e debates; rodas de capoeira; ato ecumênico; ações sociais; visita guiada à aldeia indígena e shows.

É importante lembrar que todos os protocolos de segurança precisam ser respeitados, como uso de máscara de proteção e álcool em gel, além do distanciamento social. Um dos destaques da Semana em Maricá é a campanha “Laço Branco”.


LEIA TAMBÉM:

Prefeitura reduzirá IPTU de mais de 60 mil imóveis do Rio

Rio perde Zeca Borges, pai do Disque-Denúncia

SINAVAL critica PL que enfraquece indústria naval


Campanha “Laço Branco” chega a Maricá

A ação surgiu depois que Marc Lepine invadiu uma sala de aula da Escola Politécnica em Montreal (Canadá) e ordenou que os homens saíssem. Enquanto gritava com as mulheres, que eram feministas, ele as matou. Ao todo, 14 mulheres foram assassinadas à queima roupa no dia 06/12/1989. Após o crime, Marc se suicidou, mas deixou uma carta revelando que não suportava a ideia de ver mulheres estudando engenharia, um curso tradicionalmente dirigido ao público masculino. O crime mobilizou um grupo de homens do Canadá que definiu o laço branco como símbolo da luta pelo fim da violência contra a mulher, que nas duas últimas décadas foi implementada em diferentes países, chegando ao Brasil em 2001.


/