Maioria dos empresários está otimista com início de 2022 | Diário do Porto


Economia

Maioria dos empresários está otimista com início de 2022

Oito entre dez empresários do Estado do Rio de Janeiro acredita que a situação dos seus negócios irá melhorar no primeiro trimestre de 2022

13 de janeiro de 2022

Empresários estão otimistas com 1º primeiro trimestre do ano (Tânia Rêgo /Agência Brasil)

Compartilhe essa notícia:


Primeira pesquisa da Fecomércio RJem 2022 revela que 80,8% dos empresários do Estado esperam que a situação dos seus negócios melhore no próximo trimestre. O estudo foi realizado entre os dias 3 e 9 de janeiro e contou com a participação de 245 empresários do Estado do Rio de Janeiro. Outros 14,7% aguardam uma estabilização e apenas 4,4% esperam uma piora.

Com o avanço da vacinação no Estado, mesmo com o aumento de casos de Covid-19 relacionados à variante Ômicron, a expectativa sobre a retomada econômica continua aumentando entre o empresariado: 65,7% dos empresários consideram que, nos últimos três meses, houve uma estabilização ou melhora na situação de seus negócios.

Em relação à demanda pelos serviços das empresas, o índice dos que constataram um aumento apresentou um incremento: de 20,8% (dezembro) para 29,8% (janeiro). O percentual dos que tiveram uma estabilização nas demandas permaneceu praticamente igual ao mês anterior: de 33,6% (dezembro) para 34,3% (janeiro). Já o número de empresários que notaram uma diminuição na procura por serviços/bens reduziu de 45,6% (dezembro) para 35,9% (janeiro). Para os próximos três meses, a expectativa de 88,5% do empresariado é que a demanda aumente ou estabilize, contra 11,4% que esperam uma redução na procura por seus produtos.


LEIA TAMBÉM:

Estudo da Casa Firjan aponta trabalho híbrido como tendência

Maior drone do Brasil será exibido em evento de inovação no Rio

Sebrae anuncia parcerias no Rio Innovation Week


Maioria dos empresários pretende manter empregos

Quando perguntados sobre os principais fatores que atualmente limitam o seu negócio, 46,8% indicaram as restrições financeiras e outros 37,6% dos empresários apontam a insuficiência de demanda. Além disso, para 17% a falta de mão de obra é um dos principais impeditivos e por fim, a falta de mão de espaço e/ou equipamentos é apontada como obstáculo ao crescimento por 11% dos entrevistados.

Em relação ao quadro de funcionários nos últimos três meses, 56,7% afirmam que esperam manter o número de empregados pelos próximos três meses, índice semelhante ao de novembro (58%). O percentual de empresários que devem demitir está em 10,6%. Outros 32,7% de entrevistados devem aumentar de alguma forma seu quadro de funcionários nos próximos meses.

O índice de inadimplentes ou muito inadimplentes entre as empresas passou de 27,7% (dezembro) para 32,2% (janeiro). Desse total, 53,2% dos entrevistados estão com mais de um tipo de inadimplência. O número de empresários que não ficaram com restrições apresentou queda: de 55,1% para 43,7%. Entre os que ficaram inadimplentes, os gastos são associados a fornecedor (32,5%), aluguel (31%), luz (30,2%), bancos comerciais (26,2%), tributos federais (22,2%), parcelamentos de tributos com pagamento interrompido (20,6%) e Previdência/INSS patronal (18,3%).