Livros para o Natal: uma lista para divagar na pandemia | Diário do Porto

Para ler na rede

Livros para o Natal: uma lista para divagar na pandemia

Olga de Mello sugere três livros para o Natal, como lista de presentes ou para divagar na pandemia mesmo. Temas: Marielle, pandemia e música no Rio

11 de dezembro de 2020
Livro sobre a morte de Marielle e Anderson está na lista (foto Facebook)

Compartilhe essa notícia:


Para ler na rede

Olga de Mello

Olga de Mello

 

Em tempos de – ainda – algum isolamento, bom é ganhar presentes de fruição duradoura, como, é claro, livros! Enquanto se cultiva a paciência diante do coronavírus, as livrarias e editoras lançaram uma campanha de Natal, oferecendo bons descontos nas compras presenciais e on-line. É procurar – sem pressa – o título mais adequado para cada leitor. 

Nascido em 1921, durante a epidemia de gripe espanhola, o maior pensador vivo da atualidade, Edgar Morin, descreve em É hora de mudarmos de via – As lições do coronavírus (Bertrand Brasil, R$ 21) os momentos de ‘fim de mundo’ que conheceu ao longo de 99 anos. O vírus, ao paralisar o planeta, provou o quanto a humanidade é frágil, diz Morin.

capa AS lições do coronavírus

Antes dos anos 1970, o homem acreditava haver dominado a natureza. E se depara com a degradação ambiental. A Aids derruba a arrogância da ciência, que pensava ter eliminado vírus e bactérias, enquanto a grande crise de 2008 desmoraliza as predições dos economistas de um futuro tranquilo. Por fim, em 2020, a humanidade redescobre epidemias no sentido medieval e se curva diante do vírus. O volume é fininho, mas cada linha leva à reflexão sobre a necessidade de eliminar a desigualdade social e preservar a Terra, sob pena de fim da espécie.


LEIA TAMBÉM:

Mondial de la Bière aposta em edição virtual

Abaixo-assinado quer impedir que Museu no Jardim Botânico vire hotel

Para ver e ler: quando livro vira filme, e vice-versa


Viver num lugar violentíssimo faz do brasileiro quase indiferente ao absurdo número de assassinatos no país. Em 2019, morreram assassinadas 41.635 pessoas, sendo 75% delas negras. Desses assassinatos, 13% foram cometidos por policiais. No primeiro semestre deste ano, houve 25.712 homicídios, exatamente 1,7 mil a mais do que o número registrado no mesmo período de 2019. Em março de 1918, a execução da vereadora carioca Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, indignou o Rio de Janeiro.

Marcando os mil dias do assassinato da vereadora e do motorista, os jornalistas Chico Otávio e Vera Araújo lançaram Mataram Marielle – Como o assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes escancarou o submundo do crime carioca (Intrínseca, R$ 49). O minucioso dossiê sobre o caso traz o passo a passo das investigações policiais e o registro do crescimento das milícias na cidade, onde 5 pessoas são assassinadas por dia diante de uma população acuada pela cultura da violência que vigora no Brasil atual.

Mataram Marielle

 

A arte ajuda a respirar nesta época tão dura. A beleza de um instrumento que ainda nos traz a sonoridade da música de outros séculos está em cravo do Rio de Janeiro do século XX (Riobooks, R$ 78). A ideia dos autores, os cravistas Marcelo Fagerlande, Marya Pereira e Maria Aída Barroso, era mostrar a presença do instrumento antes da década de 1960, quando ganha destaque na cena musical carioca com o ressurgimento do interesse por música barroca.

Capa_O Cravo no Rio de Janeiro do século XX

A pesquisa detalhada rendeu um volume ricamente ilustrado, com relatos deliciosos para músicos e quem gosta da história da cidade, como o uso de um cravo no cinema Capitólio, nas sessões do filme – mudo – Monsieur Beaucaire, estrelado por Rodolfo Valentino.