Para ler na rede

Literalmente mulheres, no Dia Internacional

Capitu, Julieta, Emma Bovary, Ana Karenina são personagens eternas, mas no Dia Internacional da Mulher vamos falar das escritoras e suas obras incríveis

6 de março de 2020

Compartilhe essa notícia:


Para ler na rede

Olga de Mello

Olga de Mello

Julieta, Capitu, Emma Bovary, Ana Karenina. Inegavelmente algumas das mulheres mais marcantes da literatura têm em comum, além da intensidade pessoal, o gênero dos seus criadores, todos homens brilhantes. Sem desmerecer a genialidade de Shakespeare, Machado de Assis, Flaubert e Tolstoi, há outras personagens que se impuseram literariamente com sinais reconhecíveis de autenticidade feminina e foram frutos da imaginação de mulheres. No clima do Dia Internacional da Mulher, é bom relê-las numa breve lista sem qualquer ordem afetiva ou cronológica.

Betibu

Betibu (Verus, R$ 52,90) é o apelido pelo qual Jaime Brena, o ex-editor de Polícia de um dos jornais de Buenos Aires se refere à escritora Nurit Iscar, uma cinquentona que se une ao velho jornalista para apurar o assassinato de um empresário num condomínio de luxo da cidade. Cercada por homens (dois filhos, jornalistas, o ex-amante) e pelas melhores amigas, Nurit, que desvenda mistérios com alma de repórter e curiosidade de roteirista, poderia ser um alter ego da escritora Claudia Piñeiro, um dos mais expressivos nomes da literatura argentina da atualidade.

Livro O Morro dos ventos uivantes

A paixão proibida pelas diferenças sociais impede o casamento de Cathy Earnshaw com seu irmão de criação, Heathcliff, o que seria uma “degradação” para a jovem da aristocracia rural inglesa. Mesmo depois de morta, Cathy está presente nos delírios do amargurado e cruel Heathcliff e nas lembranças dos outros personagens de O Morro dos Ventos Uivantes (Bestbolso, R$ 39,90), um dos mais aclamados romances do século XIX, escrito por Emily Brönte.

Livro Jane Eyre

Sua irmã, Charlotte, criou Jane Eyre (Zahar, R$ 89,90), a preceptora da filha do misterioso Edward Rochester, por quem se apaixona. Depois que se casam, Jane descobre um segredo pavoroso do marido e o abandona para tentar viver com dignidade, dentro das limitações impostas pela época.

Livro orgulho-e-preconceito

Com mais humor e personagens que esbanjam firmeza de caráter, Jane Austen fez de Elizabeth Bennet sua mais famosa protagonista. Em Orgulho e Preconceito (Nova Fronteira, R$ 30,90), Elizabeth tem a possibilidade de salvar a família da pobreza quando um primo, herdeiro do título e da fortuna de seu pai, se interessa em casar com ela. Elizabeth recusa e também rejeita o antipático aristocrata Mr. Darcy, que lhe confessa sua paixão, embora a considere abaixo de seu nível social. A crítica ao sistema de distribuição de renda das altas classes britânicas ressurge em outros romances de Austen, que pôde ajudar no sustento de irmãos e sobrinhos com sua atividade literária, ainda que, inicialmente, sob o pseudônimo de “uma senhora”.

Livro O Diário de Bridget Jones

A correspondente contemporânea de Elizabeth Bennet foi criada para garantir boas risadas. O diário de Bridget Jones (Record, R$ 42,90) segue a trama de Orgulho e Preconceito, incluindo um homônimo de Mr Darcy, um advogado sem charme e introvertido, que se encanta pela atrapalhada jornalista, às voltas com um editor canalha e bonito, uma mãe escandalosa e amigos divertidos. À autora Helen Fielding foi creditada a invenção do gênero literário conhecido como “chick lit”, que tem como figuras centrais feministas românticas.

Livro Arranca-me a Vida

A trajetória da exuberante Catalina Guzman, de adolescente ingênua, embora determinada, a mulher de um homem poderoso no México na primeira metade do século XX é descrita com o mesmo arrebatamento da protagonista de Arranca-me a vida (Companhia das Letras, R$ 49,90), de Angeles Mastretta. Aos 15 anos, Catalina conhece e se casa com o general Andrés Ascencio, um líder político. Restringir-se ao universo feminino doméstico não a satisfaz, porém sua rebelião é surda até se apaixonar por um músico. Com a da história do México como pano de fundo, esse romance vigoroso mostra o machismo enraizado na América Latina.