Laurentino lança Trilogia da Escravidão no Cais do Valongo | Diário do Porto


Literatura

Laurentino lança Trilogia da Escravidão no Cais do Valongo

Laurentino Gomes, consagrado por livros sobre o Brasil, lança sua nova obra, Escravidão, no local onde o Rio recebeu 1 milhão de pessoas escravizadas

30 de agosto de 2019

Brasil foi o país que mais recebeu escravos no Ocidente (Deposit Photos)

Compartilhe essa notícia:


O autor dos best-sellers ‘1808’, 1822’ e ‘1889’, Laurentino Gomes, lança a sua nova trilogia nesta segunda 2, no  Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos, próximo ao Cais do Valongo, no Porto Maravilha.

A nova obra, ‘Escravidão (vol.1) ‘ é o começo de uma viagem histórica sobre um dos marcos que moldaram a cultura brasileira e mesmo a identidade nacional. Ele vai bater um papo de meia hora com os presentes sobre a Trilogia da Escravidão. É de graça.

São três livros sobre a história da tragédia escravagista a serem publicados entre 2019 e 2021, um por ano, e compreendem uma série ensaios e reportagens de campo. Sempre que possível, vão seguir uma ordem cronológica. O primeiro volume tem seu foco principal na África, segundo Laurentino, “pela óbvia razão de que, ao escrever sobre a escravidão no Brasil, é preciso começar pela África”.

Brasil recebeu 5 milhões de africanos

O primeiro livro cobre cerca de 250 anos, entre o início das incursões e capturas de escravos pelos portugueses na costa da África, em meados do século 15, até o final do século 17. Terá capítulos sobre a escravidão em outros períodos da história da humanidade, como na Grécia Antiga, no Egito dos faraós, no Império Romano e nos domínios do islã e na própria África antes da chegada dos portugueses.

Laurentino Gomes no Cais do Valongo
Laurentino Gomes no Cais do Valongo (Foto: Carmen Gomes)

Maior território escravista do Ocidente, o Brasil recebeu cerca de cinco milhões de africanos, 40% do total embarcado para a América ao longo de três séculos e meio. Hoje, o país tem a segunda maior população negra do planeta, abaixo apenas da Nigéria.

O local do lançamento da obra de Laurentinho, o Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos – Museu Memorial fica no Sítio Arqueológico Cemitério dos Pretos Novos, na região portuária. Ali funcionou um cemitério de escravos, entre as últimas décadas do século XVIII e as primeiras do XIX.

Ali foram enterrados os corpos de africanos que perdiam a vida antes de ser comercializados, muitos deles adolescentes ou crianças, os “pretos novos”. O instituto é próximo do Cais do Valongo, considerado Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), por ser um dos principais sítios de memória da escravidão. Estima-se que no cais foram desembarcados cerca de um milhão de escravos.

 


LEIA TAMBÉM:

Mulheres em revolta: as ‘libertinas’ de Colette e Mauriac

História da Amazônia, a salvação do planeta

Leituras para desarmar preconceitos


Laurentino Gomes é autor dos best sellers '1808', '1822' e '1889'
Capa do livro ‘Escravidão’, de Laurentino Gomes (Foto: Divulgação)

Foram seis anos de pesquisa, que incluíram viagens a 12 países, além da leitura de quase 200 livros. Estudar a herança africana e escravagista, segundo o autor, é fundamental para entender a história do Brasil e as dificuldades e características do país atualmente. (Ouça o podcast)

“O tema costuma ser muito popular no carnaval e outras manifestações populares, como se vê nos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro e de São Paulo. Apesar disso, são poucas as obras no mercado editorial de livros que expliquem o assunto em detalhes e linguagem acessível ao leitor comum. O objetivo desse projeto é preencher essa lacuna”, explica Laurentino.

O jornalista ficou famoso com a sua primeira trilogia, que vendeu mais de 2,5 milhões de exemplares. Os livros tratavam da chegada da Família Real ao Brasil, da Independência e da Proclamação da República.


Serviço

Evento: Lançamento do livro Escravidão I

Autor: Laurentino Gomes

Local: Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (Rua Pedro Ernesto, 32-34 – Gamboa)

Horário: 16h

Evento gratuito


/