Justiça proíbe termelétrica flutuante na Baía de Sepetiba | Diário do Porto


Meio Ambiente

Justiça proíbe termelétrica flutuante na Baía de Sepetiba

Instalação de usina termelétrica na Baía de Sepetiba, realizada empresa turca Karpowership, foi suspensa pela 2ª Vara da Fazenda Pública

26 de julho de 2022

Justiça suspendeu a instalação da termelétrica flutuante na Baía de Sepetiba (foto: Karpowership / Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


A Justiça do Rio de Janeiro suspendeu, na Baía de Sepetiba, as obras de instalação da usina termelétrica flutuante que vinham sendo realizadas pela empresa turca Karpowership. A decisão levou em consideração o risco de degradação de áreas de proteção e a ausência de estudo de impacto ambiental.

Com previsão de entrar em operação no mês que vem, o empreendimento, que custou R$ 3,1 bilhões, conta com a instalação de 36 torres de transmissão.

A juíza da 2ª Vara da Fazenda Pública do Rio de Janeiro, Georgia Vasconcellos da Cruz, relata que o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) classificou o empreendimento como “potencialmente causador de significativo impacto ambiental”. Na decisão, a magistrada ainda ressaltou a “falta de bom senso” da Comissão Estadual de Controle Ambiental (Ceca), que considerou desnecessária a avaliação do risco para o meio ambiente.


LEIA TAMBÉM:

Sesc RJ na Estrada passeia pelas flores de Bom Jardim

Prefeitura inicia obras do Terminal Intermodal Gentileza

AquaRio atinge marca de 5 milhões de visitantes


Mário Soares, membro do Núcleo de Estudos de Manguezais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, em entrevista ao G1, disse que a instalação das usinas na Baía de Sepetiba é ruim para o entorno da área. “[O projeto] tem impactos severos sobre o meio ambiente, sobre a pesca, sobre a comunidade do entorno da Baía de Sepetiba para produção de uma energia suja, uma energia cara, mais cara do que usual, e mais, num cenário em que não existe mais a desculpa de uma crise hídrica”, afirma.

Empresa na Baía de Sepetiba se posiciona

Em nota, a Karpowership disse que não foi notificada oficialmente sobre a decisão judicial. A empresa afirma que segue comprometida com suas operações no país, cumprindo os prazos definidos pela Aneel e que respeita a legislação vigente.


/