Jovens do Pense Grande, no Rio, investem na mobilização social | Diário do Porto


Empreendedorismo

Jovens do Pense Grande, no Rio, investem na mobilização social

Inciativa da Fundação Telefônica Brasil, Pense Grande apoia projetos de jovens empreendedores sociais. Doze propostas foram apresentadas no HUB RJ

1 de dezembro de 2019

Projeto Pense Grande reuniu dezenas de jovens para apresentação de propostas no HUB RJ (Foto: DiPo)

Compartilhe essa notícia:


Uma ação coletiva contra a depressão entre jovens ou a criação de um mecanismo de incentivos que estimula doações de alimentos, estão entre os 12 projetos apresentados nesse sábado no HUB RJ, no Porto Maravilha. As apresentações fizeram parte da última etapa do programa Pense Grande, apoiado pela Fundação Telefônica Brasil.

As propostas foram idealizadas por grupos de jovens que, na maior parte, são moradores de comunidades do Rio ou da região metropolitana. O programa dá apoio à formatação e à implementação dos projetos selecionados por uma comissão de avaliadores.  Realizado em várias cidades, o evento de encerramento do Pense Grande no Rio, edição 2019, reuniu dezenas de participantes no Santo Cristo, bairro do Porto Maravilha onde fica o HUB RJ.

A comissão avaliadora foi composta por profissionais ligados ao empreendedorismo social: Élida Aquino, criadora do AfrôBox, clube de assinaturas de cosméticos para mulheres negras; Tarso Oliveira, idealizador do Troca Justa, modelo de negócios que gera moradia e inclusão para pessoas em situação de vulnerabilidade; Aline Rodovalho, sócia e diretora executiva do HUB RJ e Daniel Assunção, facilitador do Pense Grande.

A Fundação Telefônica Brasil é uma iniciativa da empresa global de telecomunicações Telefonica, que no Brasil opera principalmente a marca Vivo. O projeto Pense Grande faz parte de seus projetos para incentivar o empreendedorismo social e é estruturado por 3 estratégias: Sensibilizar, Formar e Apoiar. Voltado para jovens, tem como objetivo dar suporte a propostas que melhorem a vida dos próprios autores e de suas comunidades.

Contra a depressão

O projeto Juventude contra a Deprê, que se propõe a enfrentar a depressão entre jovens, foi apresentado pela AMAC (Associação de Mulheres de Atitude com Compromisso Social), de Duque de Caxias. A iniciativa nasceu das experiências de vida de seus idealizadores: Rodrigo Justo, 15, Victor Alessandro, 16, Thais Oliveira, 14, Vivian Rocha, 14, e Eduarda Cristina, 15.

Durante a apresentação, os idealizadores disseram que a escolha do tema se deve à grande quantidade de casos de depressão em jovens e pela dificuldade encontrada pelos afetados para conversar e trocar experiências. Um dos integrantes da equipe já teve depressão e isso aumentou a proximidade do grupo com o tema. Todos são estudantes do 6º ao 9º ano do ensino fundamental da Escola Municipal Nísia Vilela.


LEIA TAMBÉM:

Alto consumo de sal é catástrofe para a saúde. Veja opções

Definidos palestrantes do 1º Fórum do Porto Maravilha

Comunica Rio aponta caminhos para novos empreendedores


Doar e gerar riqueza

Já a proposta A Nossa PEC (Projeto Escambo Comunitário) prevê a criação de um mecanismo de incentivo às doações de alimentos para pessoas necessitadas, que se convertem em descontos nas compras em estabelecimentos comerciais parceiros da iniciativa. Ao final, o programa se propõe a combater a fome e, ao mesmo tempo, estimular a economia local, por meio do comércio.

Esse projeto, apresentado pelos jovens da ONG Karanba, de São Gonçalo, foi criado por Matheus,19, George, 18, Raphael, 25, Gisayne, 23, e Marcelle, 20. O nome do projeto faz referência às PECs (Propostas de Emenda Constitucional) no Congresso Nacional. “A gente sabe que existem várias PEC’s no governo, mas nenhuma funciona direito. Diferente da nossa”, explica George.

O local das apresentações, o HUB RJ,  é um grande equipamento cultural, que catalisa iniciativas sociais e de empreendedorismo. É muito conhecido pela realização de shows nacionais e internacionais de rap e hip hop, e também por suas consultorias e atuação na incubação e aceleração de negócios. Em 2020, seus organizadores pretendem fortalecer ainda mais essas vertentes. Em breve, lançarão um edital para novas parcerias, com foco nos seus principais eixos de atuação: entretenimento, esporte, cultura, arte e lazer.

Transformação local

“O HUB RJ não é uma casa de eventos, mas realiza eventos. Ele é um grande laboratório de 7.000 m² com um potencial enorme. A gente quer trazer os jovens de todas as áreas da cidade e da região metropolitana para dentro deste espaço”, diz Aline Rodovalho, diretora do HUB RJ.

Muito satisfeita com as apresentações dos projetos do Pense Grande, Aline relembra um pouco sobre sua própria história. “Fico muito emocionada porque nós vemos esses jovens pensando localmente. Sou nascida e criada em periferia e, na minha época, a gente pensava em sair do nosso território, quando crescesse. Agora essa galera está trabalhando ativamente, pensando em transformar o espaço onde eles próprios vivem”.

O Pense Grande também contou com a parceria do Atados, rede social que conecta voluntários às ONGs (Organizações Não-Governamentais). Rosa Diaz, coordenadora da rede, explica a importância da metodologia do programa. “Projetos como esse fazem com que os jovens tenham noção de que conseguem realizar suas propostas e mobilizar o território onde vivem”, afirma.

Daniel Assunção atua como parceiro do Pense Grande desde 2015 e, pela primeira vez, participou da edição do Rio. Para ele, uma característica forte do evento na cidade é a grande valorização do trabalho das ONGs. Daniel coordenou a formatação do programa até sua consolidação, em 2018. “O objetivo é difundir as metodologias de empreendedorismo, que geralmente são praticadas nas startups e em empresas de inovação, às quais os jovens de comunidades muitas vezes não têm acesso”, afirmou.


/