Inea e Marinha vão proteger a Baía de Ilha Grande | Diário do Porto


Meio Ambiente

Inea e Marinha vão proteger a Baía de Ilha Grande

Iniciativa conjunta tem o objetivo de reforçar a proteção e combater crimes ambientais na Baía de Ilha Grande, que conta com 190 ilhas

15 de junho de 2021

Baia de Ilha Grande terá fiscalização ambiental feita por parceria entre a Marinha e o Inea (Foto: reprodução da Internet)

Compartilhe essa notícia:


O Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão vinculado à Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, e a Capitania dos Portos do Rio de Janeiro, órgão da Marinha, firmaram um acordo inédito para reforçar a proteção e combater crimes ambientais na Baía de Ilha Grande, na Costa Verde do território fluminense.

De acordo com a Secretaria, o objetivo do acordo de cooperação será alinhar ações para ampliar o monitoramento e a fiscalização na região que conta com 1.120 km², onde se destaca a presença da Ilha Grande e de outras 190 ilhas e parcéis.

Inicialmente, o acordo prevê que o Inea disponibilize uma embarcação, que ficará na Baía da Ilha Grande, e que será gerida pela Capitania dos Portos, em operações conjuntas. Aproximadamente 72% das áreas terrestres e marinhas da baía são protegidas por unidades de conservação, entre elas o Parque Estadual da Ilha Grande e a Reserva Ecológica Estadual da Juatinga, ambos administrados pelo Inea.


LEIA TAMBÉM:

Leonardo Soares será o novo presidente da Cedae

Governo e Alerj querem maior fiscalização de petrolíferas

Distrito Empresarial do Porto será constituído no dia 6/7


O presidente do Inea, Philipe Campello, falou sobre a atual situação da área durante entrevista ao programa Tarde Nacional, da Rádio EBC. Segundo ele, a área ainda é bem preservada, mas sofre pressão em relação à sua ocupação, tanto habitacional, quanto turística e pesqueira.

“A baía que envolve tanto Paraty, Angra, Mangaratiba e Itaguaí, é uma área extensa. Ela tem problemas com a pesca ilegal, tem problemas de ocupação desordenada, mas também com a visitação turística. É uma área conhecida internacionalmente que tem uma fragilidade em relação à capacidade de carga de visitantes”, comentou.


/