Indústria do petróleo segue animando o Rio | Diário do Porto


Petróleo e Gás

Indústria do petróleo segue animando o Rio

Pelo segundo mês, sobe a produção de óleo e gás no Brasil. Muitas empresas estão no Porto. A produção de petróleo em abril foi de 2,6 milhões de barris/dia

6 de junho de 2019

Queda do preço ameaça Petrobras e acende alerta de recessão no Rio (Foto: Fernando Frazão/Ag. Brasil)

Compartilhe essa notícia:


O desempenho da indústria de óleo e gás segue animando as empresas do setor, muitas delas com sede na Região Portuária do Rio de Janeiro. Os volumes de petróleo e de gás natural produzidos no Brasil cresceram em abril, tanto na comparação mensal quanto na anual. É o segundo crescimento consecutivo, ressalta a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A produção totalizou 3,314 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d). A produção de petróleo em abril foi de 2,604 milhões de barris por dia (bpd). Representa uma alta de 1,7% em relação a março e de 0,3% sobre abril de 2018. Foram extraídos 113 milhões de m3/dia de gás, um avanço mensal de 1,3% e de 3,8% na comparação com abril de 2018.

O pré-sal passou de 59,4% para 59,8% da produção nacional, subindo quatro décimos em um mês. Na região, foram produzidos 1,572 milhões de bpd de petróleo e 64,9 milhões de m3/d de gás. Em comparação a março, houve alta de 2,3%, e, em relação a abril de 2018, de 10,9%.

Petrobras abre venda de 22 campos

Enquanto o STF debate sobre a privatização de subsidiárias, a Petrobras anunciou a abertura de processo para a venda de 22 campos terrestres de petróleo na Bahia, com pequena produção.

A estatal vem sendo pressionada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), com sede na Região Portuária do Rio de Janeiro, a se desfazer de ativos como esses. A ideia é que novos players fomentem a retomada dos investimentos.

 


VEJA TAMBÉM:

Rio alcança desmatamento zero na Mata Atlântica

Witzel pede a Bolsonaro para que Porto do Rio aumente suas operações

Caminhos do Brasil-Memória: museus pedem segurança


 

O maior campo produtor do pré-sal é o de Lula, na Bacia de Santos. Só este campo produziu, em abril, 873 mil de barris de petróleo e 37,2 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. A ANP determinou que a estatal venda até o fim do ano os campos de petróleo nos quais não tenha mais interesse de investir. Para os outros, vai ter que apresentar planos de investimento em ampliação da produção de petróleo.

Na avaliação da Agência, empresas de menor porte podem ter interesse em investir para ampliar a produção dos campos de petróleo de menor porte e na aquisição de novas reservas. Embora com baixos volumes de produção, a atividade de petróleo nesses campos tem grande potencial de geração de empregos e negócios nas cidades onde estão localizados.


/