Imóveis comerciais do Centro poderão virar residências | Diário do Porto

Infraestrutura

Imóveis comerciais do Centro poderão virar residências

Programa Reviver Centro, que começa a ser debatido na Câmara de Vereadores do Rio, prevê que imóveis comerciais sejam transformados em residências

22 de abril de 2021
Farjardo busca alternativas para a pouca oferta de imóveis habitacionais na região central (foto: reprodução/internet)


Compartilhe essa notícia:


O programa Reviver Centro, que prevê a requalificação urbana e ambiental na região central do Rio de Janeiro, começa a sair do papel para se tornar realidade. A operação interligada, que trata da conversão de prédios comerciais em residenciais, será o primeiro ponto a ser discutido na série de encontros temáticos a ser realizada pela Câmara Municipal nas próximas semanas.

Questões como moradia, patrimônio, custos e investimentos serão outros temas abordados durante esse ciclo de debates, que vai avaliar os principais aspectos do projeto de reurbanização do Centro. A região vive um esvaziamento acelerado por conta da crise econômica e da pandemia. Além das reuniões temáticas, haverá uma audiência pública antes da votação dos projetos.

 

reuniao-camara
Vereadores vão analisar junto à Prefeitura projeto que revitaliza área central da cidade e converte imóveis comerciais em residenciais (Foto: Divulgação)

O plano foi apresentado em detalhes pelo secretário municipal de Planejamento Urbano, Washington Fajardo, nesta quarta-feira (21), na Câmara Municipal do Rio. Fajardo citou uma consulta pública realizada com mais de 5 mil participantes, revelando que mais da metade dos entrevistados tinham interesse em morar na região central, mas apontavam para a necessidade de investimentos em segurança, transporte público e acessibilidade.

Isenção de impostos para empreiteiras

Washington Fajardo
Washington Fajardo é secretário municipal de Planejamento Urbano do Rio (Foto: Divulgação)

De olho nesse potencial, a Prefeitura do Rio quer estimular a construção de novas moradias nos bairros do Centro e da Lapa. Além de ampliar a oferta para diferentes faixas de renda, o Reviver Centro pretende possibilitar novas formas de utilização dos imóveis degradados ou subutilizados, permitindo transformar salas comerciais em residenciais.

Como contrapartida para as construtoras que investirem em novas moradias, será oferecida a isenção de impostos municipais e benefícios para as empreiteiras construírem em outras áreas da cidade, como a Zona Sul e a Tijuca.

“Nós aumentamos em excesso as legislações em cima de edifícios existentes. Agora precisamos desregulamentar para que a região possa absorver novos investimentos”, defendeu o secretário Washington Fajardo.

Duas propostas que tratam do assunto já foram encaminhadas pelo Poder Executivo à Câmara do Rio: o Projeto de Lei Complementar No 11/2021, que institui o programa, e o Projeto de Lei No 190/2021, concedendo benefícios fiscais de isenção ou suspensão do IPTU, ITBI e ISS para edificações que se enquadrem no Reviver Centro.

Empregabilidade deve ser mantida, diz Caiado

Carlo Caiado
Carlo Caiado, presidente da Câmara de Vereadores do Rio (Foto: Renan Olaz)

Os vereadores elogiaram o programa, mas apresentaram preocupações como os impactos nos trabalhadores ambulantes e moradores de rua. O presidente da Câmara do Rio, vereador Carlo Caiado (DEM), destacou também a necessidade de manter a empregabilidade do Centro, promovendo um equilíbrio entre moradias e a área comercial.

Ele sugere ainda a valorização de áreas no entorno da Marina da Glória. “Temos vários clubes na Glória que podem ser aproveitados. Por que não transformar a região em um grande polo gastronômico?”, sugeriu Caiado. A reunião com os vereadores também contou com a participação do secretário municipal de Governo e Integridade Pública, Marcelo Calero,


LEIA TAMBÉM

Compra de imóveis tombados ganha incentivo da Alerj

Vendas de imóveis crescem, mas materiais preocupam

Abadi aponta ‘esvaziamento surpreendente’ de imóveis comerciais