Hubs no Rio: movimento cobra apoio de grandes empresas | Diário do Porto

Inovação

Hubs no Rio: movimento cobra apoio de grandes empresas

O Clube Empreendedor cobra que grandes empresas apoiem hubs de startups no Rio. Itaú e Bradesco fazem isso em São Paulo. Por que não fazem aqui?

23 de outubro de 2020
Clube Empreendedor, cobra que grandes empresas apoiem hubs de startups no Rio (foto: Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


O presidente do Clube Empreendedor, Luiz Claudio Souza Leão, está liderando um movimento para que grandes empresas apoiem a criação de hubs de startups no Rio. Ele cita o exemplo do Cubo Itaú e do Habitat Bradesco, ambos financiados por grandes bancos em São Paulo, e cobra iniciativas semelhantes para os cariocas.

Ele dá exemplos de áreas em que o Estado e a capital fluminenses se destacam, como petróleo, gás, economia criativa (audiovisual, mídia, cinema etc), turismo, entretenimento, higiene e cosméticos, softwares e serviços financeiros. Nesses setores, startups, pequenos empreendedores e pesquisadores estão desenvolvendo ideias inovadoras, que poderiam ser potencializadas em hubs de inovação, com o apoio de grandes bancos e empresas.

“São Paulo tem 20 mil m2 de espaço de inovação com o Cubo Itaú, 22 mil m2 com o Habitat Bradesco, além de novas iniciativas, como o hub da Votorantim, com um porte similar, isso sem contar os hubs menores, como o Google Campus. Com todas as Empresas e universidades presentes no Rio de Janeiro, o que falta para ter um hub de grande porte aqui?”, cobra Luiz Claudio.

Hubs são ecossistemas

Em um rápido exercício, Luis Claudio lista algumas das empresas que têm forte presença no Rio e poderiam ser as financiadoras de hubs para novos empreendedores e inovação: Bradesco Saúde, Petrobras, Vale, CSN, Stone, Globo, L’Oréal, Pierre Fabre, GSK, Coca-Cola, Vale, IBM, B2W, Valid, Mongeral, Rede D’Or, VW Caminhões e Ônibus,  PSA ( Peugeot e Citroën), Light, Enel Brasil, Icatu Seguros e EOS Rio.

“Além disso, temos instituições de fomento como BNDES e FINEP e universidades e centros de pesquisa como Fiocruz, IMPA, IME, PUC, UFRJ, UERJ, FGV, IBMEC, UFF dentre muitas outras”, diz o presidente do Clube Empreendedor.

Ele acredita que a criação de hubs de inovação exige a mobilização de todos os interessados em sua existência. “Para ser uma representação de um ecossistema, o hub precisa ser uma construção conjunta com as pessoas e lideranças que compõem esse ecossistema”.

Luis Claudio diz que o Clube Empreendedor, que tem mais de 4.000 associados será um indutor desse processo. “Está na hora de sair da ressaca das Olimpíadas e partir para novos sonhos e novas realizações!”


LEIA TAMBÉM:

Rio Montreaux Jazz Festival começa gratuito, na internet

Construção civil está recuperando empregos no Rio

Volkswagen produzirá caminhões elétricos em Resende