Turismo

Hotelaria nacional priorizará turismo interno no pós-pandemia

Momento atual da hotelaria é o de manter contato com os clientes, segundo Michael Nagy, que participou de live promovida pelo Senac Empresa

1 de junho de 2020
Michael Nagy, do hotel Fairmont Copacabana, destacou a importância do turismo interno para a recuperação da hotelaria nacional, após o fim da quarentena (foto: Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


O futuro da hotelaria nacional, após o fim do isolamento social, está no desenvolvimento do turismo interno. Essa foi uma das conclusões da live “Hotelaria pós-pandemia: perspectivas e desafios para o novo turismo”, realizado pelo Senac Empresa, no último dia 29 de maio.

Participaram do debate Michael Nagy, diretor de Vendas e Marketing do hotel Fairmont Rio de Janeiro Copacabana; Gabriela Borges, especialista na área de área de turismo, hotelaria e eventos e Juliana Aquino, executiva de relacionamento corporativo do Senac RJ.

Além de pensar no futuro, Nagy destacou que é preciso trabalhar no presente. E uma das tarefas é manter contatos constantes com os clientes. Algo que o hotel Fairmont está fazendo, mesmo fechado desde 24 de março.

“O momento é de stay home e de saber que o mercado nacional é prioridade. Ao fechar o hotel não paramos nossas atividades de falar com o cliente. Até hoje nós falamos com mais de 560 clientes, e mantivemos o contato diário on-line e perguntando: ‘Como você está? Como está a situação da sua empresa? Como vocês estão vivendo? Como está sua família?”, explicou o diretor, destacando a importância do contato pessoal para a hotelaria.


LEIA MAIS

Durante a pandemia, mercado imobiliário sofre queda no Rio

Viação UTIL e Rodoviária do Rio ajudam comunidades do Porto

Edifício A Noite, agora da SPU, segue sem vistoria dos Bombeiros


No debate, constatou-se que a hotelaria ainda não definiu um protocolo nacional, feito em conjunto pelo setor, para seguir após a reabertura. Um exemplo citado foi da cidade de Gramado (RS), que decidiu reabrir seus hotéis em 15 de maio. Com baixa demanda, os hotéis daquela cidade  estão oferecendo descontos para serem mais atraentes ao público.

Hotelaria voltada para o turista brasileiro

Outra constatação foi a de que ainda haverá, por muito tempo, restrições ao turismo externo, para evitar uma nova expansão da Covid-19. Como consequência, as viagens domésticas tendem a crescer, o que abre uma oportunidade para a hotelaria se dedicar ainda mais ao turismo interno.

“É um novo turismo e de fato, é uma chance para o Brasil se mostrar para o brasileiro. Vamos conhecer melhor o país bonito que nós temos”, disse Nagy.

Na live foram apresentados outros exemplos de destinos nacionais e internacionais que já iniciaram a retomada parcial das atividades e como isso será possível para a realidade carioca. Também foram debatidas a diversificação de mercados e produtos, redesenho da promoção turística, medidas sanitárias e de gestão e o estímulo a parcerias para a recuperação conjunta do mercado.

Queda nas viagens externas

Segundo a Organização Mundial do Turismo, o número de viagens pelo mundo terá uma queda de 80% no ano de 2020. No Rio, cerca de 60 hotéis suspenderam suas atividades desde março, seguindo as restrições da quarentena.

Alguns hotéis, que se mantêm abertos, oferecem taxas especiais para profissionais da saúde. A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) desenvolveu a campanha “Não cancele, remarque!”, para ajudar o setor, um dos primeiros a sentir os efeitos da pandemia.

Para conferir a live, basta acessar o canal de Youtube do Senac RJ.