Hacking.Rio busca soluções em meio à pandemia | Diário do Porto


Inovação

Hacking.Rio busca soluções em meio à pandemia

Hacking.Rio reune líderes do universo tecnológico para debater temas do mercado e da sociedade. Começa nesta segunda, totalmente on-line e gratuito

20 de março de 2021

(Fotos: Divulgação/ Hacking.rio)

Compartilhe essa notícia:


O Hacking.Rio, maior festival de cultura digital do país, promove um ciclo de palestras com líderes do universo tecnológico para debater soluções e caminhos oferecidos pelas novas tecnologias. A edição deste ano é totalmente on-line e gratuita, contando com dois debates por dia até 29 de março, com 40 minutos de duração cada. As inscrições para o evento podem ser feitas aqui.

O encontros promovem uma maratona entre desenvolvedores e programadores, e vai discutir saídas para problemas reais enfrentados pela sociedade.

De acordo com Lindália Junqueira, CEO e fundadora do Hacking.Rio, o evento nasceu da necessidade de reinvenção por conta da pandemia que começou a assolar o país há um ano. “Em nossa primeira edição, em 2020, tivemos um sucesso absoluto de público, com mais de 170 speakers, 17 países e alcance de 170 mil pessoas”, conta.

Hacking.Rio: pensando em novos negócios

Lindália destaca a importância do Hacking.Rio para o ecossistema inovador do Brasil, ao reunir diversos parceiros estratégicos como universidades, empresas e startups.

Nesta segunda 22, acontecem as palestras “Hack for good: novas soluções que vêm das águas” e “Hackers do bem: hackers mudam o mundo”. Para debater os temas, nomes como Caetano Scannavino Filho, coordenador da ONG Projeto Saúde & Alegria, e Renato Regazzi, gerente Nacional do Sebrae.

Palestras
A seleção de palestrantes conta com grandes nomes do cenário nacional

Em outubro acontecerá o evento oficial, onde os participantes precisam desenvolver, em 42 horas, soluções disruptivas de alto impacto para desafios reais traçados por empresas.

“Nosso propósito é educacional, voltado a desenvolver em jovens e adultos as habilidades corretas para o mercado atual, focada na transformação digital”, acrescenta Lindália, ao mencionar que, desde 2018, o evento impactou mais de 250 mil pessoas, com cerca de 8 mil participantes, mil mentores e R$ 300 mil em premiações.

 

 


LEIA TAMBÉM:

Deputados do Rio querem fortalecer indústria naval do Estado

BioParque do Rio abre para o público na segunda-feira (22/3)

Cassinos: legalização é prioridade no Congresso