Governador diz que desconhece plano de Mandetta para favelas | Diário do Porto


Política

Governador diz que desconhece plano de Mandetta para favelas

Ministro afirma que é possível dialogar com traficantes e milicianos, nas favelas, em nome da saúde pública. No Rio, 8 comunidades já têm o coronavírus

10 de abril de 2020

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, diz que está elaborando plano de ação específico para as favelas (foto: Agência Brasil / Marcello Casal Jr )

Compartilhe essa notícia:


O governador do Estado, Wilson Witzel, disse que desconhece o plano anunciado pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para combater o coronavírus em favelas. Segundo o ministro, o plano pode envolver até mesmo negociações com traficantes e milicianos.

Questionado sobre se teria recebido algum contato do Ministério da Saúde sobre a questão, Witzel respondeu negativamente. Mandetta declarou em Brasília, na quarta-feira, que o Governo Federal trabalha num plano piloto em uma comunidade para frear o avanço do doença em favelas do país.

O ministro disse que, se for preciso, é possível o diálogo com tráfico e milícia em nome da saúde pública. “Começamos o primeiro plano de manejo, e eu não vou dizer em qual comunidade, porque ali você tem que entender a cultura, a dinâmica. Entender que são áreas onde, muitas vezes, o Estado está ausente, onde quem manda é o tráfico, a milícia”, afirmou.

Mandetta completou que “a saúde dialoga, sim, com o tráfico, com a milícia, porque eles também são seres humanos e também precisam colaborar, ajudar, participar. Então, neste momento, quando a gente faz este tipo de colocação, a gente deixa claro que todo mundo vai ajudar, fazer sua parte”.


LEIA MAIS:

Turismo perde R$ 14 bilhões no país e, no Rio, 5 mil empregos

Witzel libera 30 cidades do isolamento social. Veja lista

Empresas reclamam que bancos dificultam empréstimos na crise


No Rio, de acordo com os dados da Prefeitura, foram registradas 41 casos de  Covid-19, a doença causada pelo coronavírus, em 8 favelas da cidade, com 6 mortes. As comunidades afetadas até agora são: Rocinha (14 casos e 2 óbitos); Manguinhos (7 casos e 1 óbito); Vigário Geral (5 casos e 2 óbitos); Parada de Lucas (5 casos); Mangueira (4 casos); Cidade de Deus (3 casos); Maré (2 casos e 1 óbito) e Vidigal (1 caso).

Na semana passada, Mandetta já havia dito que o Ministério da Saúde vinha trabalhando em um plano específico para o combate ao coronavírus nas favelas. Na ocasião, ele disse que se trata de uma ação complexa e que exige um “grande sacrifício” dos moradores das comunidades, aos quais ele pediu que continuassem a adesão às medidas de isolamento social.


/