Inovação

Furnas investe R$ 3 milhões em tecnologia contra a Covid-19

Três startups, sendo duas do Rio de Janeiro, foram selecionadas por Furnas, com apoio do sistema Firjan Sesi, para desenvolver as tecnologias

14 de maio de 2020
A esterilização de EPIs é uma preocupação na pandemia (Deposit Photos)

Compartilhe essa notícia:


O enfrentamento da pandemia segue mobilizando o setor produtivo. Três empresas foram aprovadas na chamada pública de startups realizada por Furnas em parceria com a Firjan Senai. O edital foi lançado por Furnas em abril, com o objetivo de desenvolver tecnologias voltadas ao setor elétrico e ao enfrentamento da Covid-19. Serão investidos R$ 3 milhões nos projetos selecionados.

Duas startups do Rio de Janeiro (Copacabana Holding e Simex) e uma do Espírito Santo (Intechno) vão desenvolver soluções na esterilização de equipamentos de proteção individual (EPIs) e pulverização de ambientes de trabalho por Luz Ultravioleta (UV). O trabalho selecionado por Furnas tem apoio do Instituto Senai de Inovação em Sistemas Virtuais de Produção (ISI SVP).

Furnas aponta aprendizado

Para o gerente-geral de Relacionamento e Negócios da Firjan, Carlos Magno, as soluções desenvolvidas vão impactar a sociedade de forma mais ampla. “Iniciativas como esta, onde reunimos as necessidades da indústria, o potencial inovador de pequenas empresas e startups e a competência técnica da Firjan Senai, possuem alta taxa de sucesso e grande retorno ao recurso aplicado”, explica o gerente.


LEIA TAMBÉM:

Roda gigante doa cestas básicas para a Providência

Cartilha orienta bares e restaurantes para reabertura

Com um caso, Paquetá segue atenta contra o vírus


 

Segundo a superintendente de Estudos de Mercado e Inovações de Furnas, Fabiana Cristina Teixeira, a conexão das soluções inovadoras propostas pelas startups aos desafios lançados pela empresa foi um aprendizado para todos os envolvidos.

“Nos próximos dias, Furnas, Firjan Senai e as empresas selecionadas trabalharão no refinamento dos planos de projeto, adequando-os às competências e infraestrutura tecnológica disponível”, explicou Fabiana. A partir de 25 de maio, as empresas terão até dois meses para desenvolver a solução.