Fórum apresenta projetos para Baía de Guanabara | Diário do Porto


Meio Ambiente

Fórum apresenta projetos para Baía de Guanabara

Fórum na Alerj apresenta projetos que geram impacto ambiental positivo para a conservação da natureza em 17 municípios do entorno da Baía de Guanabara

4 de agosto de 2021

Rio assina intercâmbio turístico para atrair turistas de São Paulo (Beth Santos/Pref Rio)

Compartilhe essa notícia:


O Fórum da Alerj de Desenvolvimento do Rio apresenta, nesta quinta-feira (5/8), às 15 h, o Mapa de Negócios Sustentáveis da Baía de Guanabara, com empreendimentos que geram impacto positivo para a conservação e desenvolvimento da natureza em 17 municípios deste ecossistema no estado do Rio de Janeiro. A reunião será transmitida pelo canal do Rio de Impacto no Youtube.

A iniciativa será detalhada pela especialista em Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário, Juliane Freitas. O mapa tem o objetivo de contribuir para a transformação da realidade socioeconômica e ambiental da região a partir do fortalecimento de negócios com respeito ambiental e desenvolvimento sustentável nos municípios da região metropolitana do Rio de Janeiro. Ele engloba as cidades de Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Magé, Mesquita, Nilópolis, Niterói, São Gonçalo, São João de Meriti e Tanguá, além de parte de Cachoeiras de Macacu, Maricá, Nova Iguaçu, Petrópolis, Rio Bonito além do próprio Rio.


LEIA TAMBÉM:

Turismo no Rio: cresce a procura pelo interior em julho

Paes defende demolição de antigo prédio anexo da Alerj

Porto em Maricá terá investimento de R$ 12,8 bilhões


Um novo olhar sobre a Baía de Guanabara

Para a diretoria-executivo do Fórum, Geiza Rocha, a chegada da Fundação Boticário ao grupo Rio de Impacto trará toda a experiência e conhecimento que a empresa possui em atuações no segmento da economia verde pelo Brasil. “Vamos contribuir com a temática fundamental para o desenvolvimento do estado, que é a preservação da Baia de Guanabara, fomentando, assim, empreendimentos que possam gerar reflexos sustentáveis positivos”, completa Geiza.

 


/