Firjan questiona Petrobras por preço de gás natural | Diário do Porto


Petróleo e Gás

Firjan questiona Petrobras por preço de gás natural

Em reunição com Petrobras, Firjan demonstra preocupação com reajuste de 50% no preço da molécula. Empresa diz que aumento é para cobrir custos de importação

16 de dezembro de 2021

Em reunião com Petrobras, Firjan adverte que empresas podem quebrar com aumento de 50% no preço do gás natural (Foto: Reprodução Sindistal)

Compartilhe essa notícia:


O reajuste do preço do gás natural foi um dos temas da recente reunião do Conselho Empresarial de Petróleo e Gás da Firjan com diretores da Petrobras .Luiz Césio Caetano, presidente em exercício da Federação, demonstrou preocupação com o aumento de 50% previsto no preço da molécula. “Há uma enorme discussão do custo do gás natural versus a competitividade da indústria do Rio. Achamos que é possível avançar. As empresas não poderão sobreviver com a magnitude de aumento de 50% na molécula”, pontuou.

Rafael Chaves, gerente executivo de Estratégias da Petrobras, explicou que o preço sobe para seguir o mercado internacional, “não para mirar lucro”, e que 40% dos combustíveis líquidos consumidos no Brasil são importados. Segundo ele, o preço do gás teria sido fruto de uma crise mundial. Em 2021, a Petrobras importou quase 120 cargas de gás, contra 20 no ano passado.

A demanda é grande em vários países, acrescentou. “Em 2021, a Petrobras está retornando à União mais de R$ 220 bilhões em dividendos, tributos e participações especiais e cabe ao governo decidir o que fazer com o dinheiro, pode ser subsidiar a indústria”, sugeriu Chaves.


LEIA TAMBÉM:

Melhor governança pode baratear derivados de petróleo

Galeão terá corrida de Stock Car em 2022

Maricá “exporta” moeda social para Niterói


Petrobras confirma na Firjan investimentos de US$ 68 bilhões até 2026

Na reunião foi apresentado também o Plano Estratégico da Petrobras para o quinquênio 2022-2026, A empresa ampliou em 24% a programação de seus investimentos em relação ao plano anterior, devendo chegar a US$ 68 bilhões. A Petrobras anunciou a entrada em operação de 15 novas plataformas próprias de produção de petróleo e gás, a maior parte no pré-sal do Rio de Janeiro.

“Nosso compromisso com a economia fluminense é enorme, aqui estão nossos principais investimentos. A interação com a classe empresarial do Rio é fundamental. Ninguém conhece mais a Petrobras que nossos fornecedores de bens e serviços”, declarou Roberto Furian Ardenghy, diretor executivo de Relacionamento Institucional e Sustentabilidade da companhia.

Na área de refino, há previsão de investimento de US$ 6,1 bilhões nos próximos cinco anos, sendo US$ 1,5 bilhão na integração entre a Refinaria Duque de Caxias (Reduc) e o GasLub Itaboraí, para a produção de derivados de alta qualidade e de óleos básicos. “No GasLub, está prevista uma planta de óleo lubrificante para diesel S-10 (com teor de enxofre menor) e uma unidade processadora de gás natural. Estimamos a geração de 10 mil empregos”, detalhou Chaves,, que foi anunciado como o substituto de Ardenghy.

Do total de investimentos até 2026, 84% vão para exploração e produção e 9% para refino. Questionado por Karine Fragoso, gerente de Petróleo, Gás e Naval na Firjan, sobre o compromisso da petroleira com o conteúdo local, Chaves disse acreditar na competência da indústria nacional. “Mas o processo licitatório é competitivo e regrado. A indústria tem que ser capaz de ofertar os produtos que precisamos no Brasil”.

Para assistir à reunião, clique em https://www.youtube.com/watch?v=iTlGI8WArtE