Firjan entra na briga pelos museus do Porto | Diário do Porto

Indústria criativa

Firjan entra na briga pelos museus do Porto

Presidente da Firjan recebe deputados da Frente Parlamentar da Indústria Criativa e discute crise do Museu do Amanhã e do Museu de Arte do Rio

30 de agosto de 2019
Eduardo Eugenio fala durante almoço com deputados da Frente Parlamentar da Indústria Criativa (Foto: Firjan / Renata Soares)

Compartilhe essa notícia:


Caio Garritano*

A crise que ronda o Museu do Amanhã e o Museu de Arte do Rio (MAR) foi discutida na Casa Firjan, durante visita dos deputados federais que compõem a Frente Parlamentar da Indústria Criativa. O encontro tratou também do setor produtivo do audiovisual, que gera milhares de empregos no Rio Janeiro.

O presidente da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, disse que esta pessoalmente envolvido na atração de empresas que possam se tornar mantenedoras dos dois museus, que são os principais equipamentos culturais do Porto Maravilha.

“É impensável o quanto vamos perder, se esses museus forem fechados. É impossível falar em educação sem falar sobre os museus. Vai muito além de só olhar, é sobre refletir”, afirmou Eduardo Eugenio ao lado do deputado federal Marcelo Calero, ex-ministro da Cultura, atual presidente da Frente Parlamentar.

Prefeito nega risco de fechamento

Nesta semana, uma carta do Movimento Juntos Somos + Rio solicitou ao prefeito Marcelo Crivella providências para evitar que os dois museus sejam fechados, bem como a Cidade das Artes, na Barra da Tijuca. Em resposta, o prefeito disse que não haverá fechamento e prometeu realizar licitação para escolha de novos administradores para os museus.

 


LEIA TAMBÉM:

Carnaval: prefeito não dará verba ao Grupo Especial

Sem nova licitação, Museu do Amanhã pode fechar

Leia carta a Crivella para não fechar museus. Ele acusa o grupo Globo


Na Casa Firjan, Marcelo Calero destacou que o Museu do Amanhã se tornou uma referência internacional sobre o Rio de Janeiro e que ao mesmo tempo é ponto de atração para moradores de vários pontos da própria cidade. “No Museu do Amanhã, 75% dos visitantes são da zona norte e oeste. É fundamental entender a importância da cultura, e do que ela significa para os moradores do Rio, para o turismo e a nossa economia”.

Segundo Calero, no último semestre, o Museu do Amanhã recebeu cerca de 490 mil visitantes, enquanto o MAR (Museu de Arte do Rio) tem uma média de 48 mil visitantes por mês.

Eduardo Eugenio, disse aos deputados que acredita na consolidação do sucesso do Porto Maravilha, projeto que revitalizou os bairros da região portuária e criou um polo de atração para empresas e novos investimentos. “A região portuária é uma área em que a criatividade do carioca se expressa de forma muito densa. É um ponto de encontro histórico entre os produtores da nossa cultura. O resultado do que acontece ali não pode ser, sem dúvida, algo diferente do sucesso”, afirmou o presidente da Firjan.

 

*sob supervisão