Fim das noites insones. Que venha Paris! | Diário do Porto


Nas esquinas de Tóquio

Fim das noites insones. Que venha Paris!

Faltou ouro no último dia. Decepções pequenas perto da alegria pelo recorde histórico de medalhas quebrado pelo Brasil em Tóquio. E que venha Paris!

8 de agosto de 2021

Japão agradece ao mundo na festa de encerramento da Olimpíada (Jonne Roriz/COB)

Compartilhe essa notícia:


Nas esquinas de Tóquio

Vicente Dattoli

Foram dias e dias de noites insones. Com perdão do trocadilho infame. Noites que serviram para revelar novos heróis, que trouxeram esperança, que lembraram que o mundo, ainda, está fora do seu eixo.

As movimentadas ruas de Tóquio jamais serão as mesmas, apesar de não terem sido tomadas, neste período, pelo colorido planetário que se espera de uma competição que mobiliza o planeta inteiro. Faltaram sorrisos, encobertos pelas máscaras.

Sobrou emoção, porém, que nem mesmo o temor das aglomerações pôde impedir. Apesar de todas as adversidades, recordes foram quebrados. Recordes nas pistas, nos ginásios, nas piscinas, nos corações. Corações…

Como descrever o que sentimos nestes últimos dias ao ver a Rebeca faturando ouro e prata? E a menininha Rayssa, num esporte que até pouco tempo era até proibido por ser confundido (pelas doentes cabeças, é claro) com vagabundagem?

Tivemos recordes até na conquista de medalhas. Vejam só! Recordes numa competição que teve a maior participação feminina na história (cerca de 48,5%). Diversidade, empatia, carinho… Mais recordes.

Nesta última noite, conquistamos mais duas medalhas. Foram de prata. Esperávamos ouro. Mesmo assim, como não festejar as conquistas da, mais uma!, baiana Bia Ferreira, no boxe, e da equipe feminina no vôlei de quadra?


LEIA TAMBÉM:

Alerj cria Frente por desenvolvimento no pós-pandemia

Prêmio Visão Consciente tem inscrições até 22 de outubro

“PIB” do Porto lança Distrito Empresarial da região


Ainda bem que teremos Paris

Decepções? Sem dúvida. Faltaram as medalhas no vôlei de praia, por exemplo. E o time masculino de Vôlei? Ainda por cima perdendo a medalha para os argentinos…Deixando as tristezas de lado, vale reafirmar que aqui é o país do futebol. Somos bi medalha de ouro com a bola rolando. E o que falar da Bahia? Terra da felicidade e das medalhas…Bahia, berço do Brasil!

Agora, é Paris. E Faltam só três anos.