Feira de São Cristóvão é tombada pela Câmara | Diário do Porto


História

Feira de São Cristóvão é tombada pela Câmara

Câmara aprova e a Feira de Tradições de São Cristóvão, a “Feira dos Nordestinos”, é o mais novo patrimônio imaterial do Rio de Janeiro.

12 de agosto de 2021

Feira de São Cristóvão completa 76 anos na sexta-feira (Agência Brasil /Tomaz Silva)

Compartilhe essa notícia:


A Câmara do Rio aprovou o projeto de lei nº 53/2021. A iniciativa de autoria do vereador Vítor Hugo tomba o Centro Municipal de Tradições Nordestinas, que fica no campo de São Cristóvão, e a declara como bem imaterial da Cidade do Rio. O projeto segue agora para sanção do prefeito Eduardo Paes.

Conhecida popularmente como “feira dos nordestinos”, a Feira de Tradições Nordestinas começou a ser formar em 1945. Naquele ano, retirantes nordestinos chegavam ao Campo de São Cristóvão em caminhões, os famosos “paus” de arara,” vindos para trabalhar na emergente construção civil da então capital da República. Os animados encontros dos recém-chegados com seus parentes e conterrâneos que já estavam na cidade deu origem à Feira, que permaneceu ao redor do Campo de São Cristóvão por 58 anos.


LEIAM TAMBÉM:

Moeda social de Maricá pode chegar a Iguaba Grande

Fecomércio RJ: pausa na vacinação atrasa recuperação da economia

ANPTrilhos lança “O Futuro da Mobilidade”


Feira de São Cristóvão tem 76 anos de festa e tradição

Em 2003, o antigo pavilhão foi reformado pela Prefeitura do Rio na gestão do então prefeito e hoje vereador César Maia, que construiu o atual Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas. Hoje, não só nordestinos frequentam a Feira para matar saudades e resgatar um pouco de sua cultura, mas também cariocas e turistas de todo o País. Com isso, a Feira se tornou patrimônio imaterial da cidade e se somou a outras atrações turísticas mundialmente conhecidas da cidade.

Autor do PL, o vereador Vitor Hugo comentou sua aprovação e destacou a importância histórico-cultural da feira.

“São 76 anos em atividade e pelo menos cinco gerações que fazem a história da Feira. O Rio precisa abraçar esse povo que não deixa a nossa cidade parar. Essa Feira é um grande ícone da cultura nordestina na nossa cidade e, também, um importante ponto turístico do Rio Esse tombamento nos traz a segurança da continuidade dessa tradição”, afirmou o parlamentar.


/