Fecomércio-RJ: cresce o medo de perder o emprego | Diário do Porto

Geral

Fecomércio-RJ: cresce o medo de perder o emprego

De acordo com Fecomércio-RJ, 62,1% dos cariocas estão com medo de perder sua ocupação. Em 2020, a cidade perdeu quase 100 mil postos de trabalho

30 de março de 2021


Fecomércio-RJ mostra que o total de endividados subiu de 50,5%, em fevereiro, para 58,8%, em março (Foto: RioTur / Divulgação)


Compartilhe essa notícia:


Mesmo com o número recorde de casos da Covid-19 no Estado nas últimas semanas, a maior preocupação dos cariocas não é ser contaminado pela vírus, mas sim perder o emprego. De acordo com o levantamento da Fecomércio-RJ, 62,1% dos fluminenses estão com muito medo de perder suas ocupações. No ano passado, quase 100 mil postos de trabalho foram perdidos.

Esse é o maior percentual já registrado durante a pandemia. Em fevereiro, essa porcentagem era de 49,3% e janeiro (43,3%). O levantamento mostra que os mais otimistas ao cenário atual representam apenas 24,9%, e 13 % duvidam que o cenário piore mais, mas se consideram receosos.

Fecomércio-RJ: cariocas têm redução de até 60% na renda

Segundo a Fecomércio-RJ, o percentual de cariocas que declaram ter sofrido redução da renda familiar subiu de 45% para 60,8% dos entrevistados. O indicador dos que creem que a situação econômica de suas famílias continuará como está caiu de 36,7% para 25,7%, representando uma diferença de 11 pontos percentuais. Apenas 13,5% dos fluminenses acreditam que a renda aumentará de alguma forma.

O total de fluminenses que se disseram endividados ou muito endividados subiu de 50,5% em fevereiro, para 58,8% em março. Os que se dizem pouco endividados caiu de 25,7% para 17%. Já o percentual de consumidores não endividados aumentou de 23,8% para 24,2%.


LEIA TAMBÉM

Campanha #invistanorio se espalha com apoio de empresas

Bike Rio expande o sistema com 50 novas estações

Globo teve queda de 77,7% no lucro, em 2020


Rio perdeu quase 100 mil empregos em 2020

Entre janeiro e dezembro, o Rio sofreu a redução de 92.753 postos de trabalho formais, resultado de um balanço de 501.796 admissões e 594.549 desligamentos.

De acordo com a analise do Instituto Rio 21, o setor mais afetado da economia carioca com o corte de postos de trabalho foi o setor de Serviços, seguido pelo setor de Construção, Comércio e Indústria.