Famoso boteco tijucano finca os pés na Pedra do Sal | Diário do Porto

Gastronomia

Famoso boteco tijucano finca os pés na Pedra do Sal

Dos mesmos donos do Bar da Gema, o Da Pedra é o novo botequim da Região Portuária. Cozinha e ambiente reverenciam cultura negra e africana

13 de outubro de 2021


Leandro Amaral, Luiza Sousa, a musa das panelas, e André Peterson (da esqu. à dir): o trio de sócios do novo boteco da Pequena África (DIÁRIO DO PORTO)


Compartilhe essa notícia:


Chico Silva

A Região Portuária ganhou mais um botequim. E não é um pé-sujo qualquer, não. O Da Pedra é o novo empreendimento de Luiza Souza, a Musa das Panelas, como merecidamente se autointitula, e de seus sócios, Leandro Amaral e André Peterson. Os dois primeiros são os criadores do tijucano Da Gema. Em pouco mais de uma década, o bar se tornou o novo clássico da cena botequeira de uma cidade que leva o assunto muito a sério. E não poderia haver lugar mais apropriado para uma casa desse porte do que a Pedra do Sal, lugar onde bate mais forte o coração da Pequena África.

Inaugurado no 12 de Outubro, o Da Pedra reúne tudo o que um boteco pode ter de melhor. Comida boa, quem conhece o Da Gema sabe do que se trata; samba, nos dias da icônica roda da Pedra do Sal só vai fechar quando o cavaco silenciar, e cerveja gelada. Apaixonada pelo ritmo, Luiza sempre pensou em abrir uma casa na região. E o desejo se realizou graças a uma ajudinha de Peterson, antigo colega de faculdade e ex-proprietário do bar que ocupava o ponto onde o Da Pedra se instalou, o Bodega do Sal. “A Pedra do Sal tem tudo a ver com a gente. A história de luta e resistência, a ancestralidade negra e a energia desse lugar são únicas. Além disso, aqui me sinto no meu subúrbio. Parece que estou no meu portão em Braz de Pina”, diz Luiza, sobre o bairro da zona norte onde foi criada.


LEIA TAMBÉM:

Sesc RJ na Estrada mostra o Morro do Itaoca, em Campos dos Goytacazes

Cassinos: senador propõe volta da legalização no Brasil

Roda roda Rio Star


Da Pedra homenageia Pequena África e a cultura preta

Sobre o cardápio, não espere encontrar no Da Pedra as delícias que fizeram à fama da casa da Tijuca, como as premiadas coxinhas e a polentinha com rabada que se tornou quase sinônimo do bar. Luiza avisa que a minuta será completamente diferente. A ancestralidade africana, marca da região onde desembarcaram mais de 90% dos escravos trazidos para o Brasil, estará em petiscos como o “Pequena África”, espetinho de jiló enrolado no bacon com linguiça. Outro quitute que promete fazer sucesso é o frango com quiabo no espeto. Os dois vêm acompanhados de polenta mole e farofa com calabresa. Prove também os inusitados pasteis de rabada com agrião e jabá com jerimum, também chamada de abóbora por essas bandas.

As homenagens à cultura negra não ficam restritas ao cardápio. As paredes do bar fazem reverência a ícones pretos como Donga, João da Baiana, Tia Ciata e Pixinguinha. A impactante imagem de um Jesus negro completa o cenário. As pinturas levam a assinatura de Eduardo Fernandes, o @bisthecookie. A chegada do Da Pedra coincide com a recente eleição da Saúde, bairro onde está a Pedra do Sal, como o melhor bairro do Brasil pela “Time Out”, renomada publicação de lifestyle com sede em Londres e Nova York. E o novo boteco da área promete torná-lo mais legal ainda.

Graffitti do Jesus negro na parede do Da Pedra assinado por Eduardo Fernandes, o @bisthecookie. (reprodução/instagram @musadaspanelas)