Para ler na rede

Essa ridícula ideia de não te ler

Espanhola Rosa Montero inspira-se na vida da cientista polonesa Marie Curie para refletir sobre a mulher ocidental e sobre o amor. Texto de Olga de Mello

4 de maio de 2019
Maria Curie, viúva, com as filhas

Compartilhe essa notícia:


Olga de Mello

Para ler na rede

Daqueles títulos magníficos, daqueles textos intensos, daquelas narrativas que deságuam em outras histórias, como no encontro com o maior amigo, o companheiro da juventude, da infância, da construção de vida. A ridícula ideia de nunca mais te ver (Todavia, R$ 54,90), de Rosa Montero, volta a causar o delicioso impacto experimentado na leitura de A Louca da Casa, que apresentou a escritora espanhola ao público brasileiro em 2004. Com o mesmo estilo arrebatado do contundente exercício literário que abordou as formas da criação e seus criadores, Rosa Montero parte de um diário da cientista Marie Curie para refletir sobre a posição da mulher ocidental no mundo contemporâneo e os sentimentos comuns em qualquer sociedade, entre eles, o amor.

Maria Curie com as filhas
Marie Curie com as filhas

Nascida Marya Sklowdoska, apelidada Manya, a jovem polonesa que afrancesou o nome ao se radicar na França é inspiração numa obra cuja própria autora nem imaginava no que daria, exceto que não seria “um livro sobre a morte”. É da morte, no entanto, que ela trata, em sua primeira declaração: “Como não tive filhos, o mais importante que me aconteceu na vida são meus mortos”. A morte será discutida com naturalidade, assim que o texto chegar a ela, já que os livros nascem “de um ovinho minúsculo, uma frase, uma imagem, uma intuição; e crescem (…) até se transformarem numa criatura completa e geralmente inesperada”.

Está definido, então, o tom da reflexão que seguirá por páginas como uma conversa íntima com o leitor, fluindo sem se fixar num tema rígido, adentrando por problemas pessoais que boa parte da humanidade enfrenta, como o atordoamento diante da morte de alguém próximo. Ao se deparar com o desespero de Marie ao saber da morte do marido Pierre, atropelado a caminho do trabalho, Rosa Montero recorda a dor da perda de seu companheiro, depois de 21 anos de casamento.

Marie, a única mulher – e primeira pessoa – a ganhar dois prêmios Nobel em categorias distintas, buscou cercar-se de homens brilhantes e foi muito maior que todos eles, embora precisasse de Pierre para se destacar no meio científico. Dividiu com marido e com o pesquisador Henri Becquerel o Nobel de Física em 1903 pelos estudos sobre a radiotividade. Oito anos depois, recebia o Nobel de Química por isolar o rádio e o polônio (assim chamado em homenagem à sua terra natal). O pioneirismo de Marie na ciência não serviu, entretanto, para aumentar a visibilidade das mulheres em campos dominados pelos homens. Entre os ganhadores do Nobel, há 786 homens e apenas 44 mulheres, a grande maioria delas por literatura ou no prêmio da Paz. Das quatro laureadas em Química, uma é a própria Maria; outra é sua filha, Iréne. A filha mais nova, Eve, trouxe indiretamente mais um Nobel para a família: em 1965, seu marido, Henry Richardson Labouisse Jr, era o diretor da Unicef, quando a instituição ganhou o Nobel da Paz.

 


VEJA TAMBÉM:

Rio receberá em setembro a maior livraria flutuante do mundo

Edital da Prefeitura do Rio: até R$ 54,7 milhões a projetos de cultura

Histórias de vida das prisioneiras longe de casa


 

Além de detalhar como Marie Curie se desdobrava para cuidar da família e de seu trabalho (a dupla jornada já era uma realidade: Pierre exigia atenção quase exclusiva, ficando amuado se ela se dedicasse às filhas), não falta o saboroso tom de escândalo ao analisar o envolvimento da cientista, já viúva, com o físico Paul Langevin, o que quase lhe custou o Nobel de Química. A mulher de Langevin, um sedutor contumaz, fez pressão contra Marie nos jornais, além de ameaçá-la de morte, caso não deixasse seu marido e a França. O romance acabou, Marie recebeu seu prêmio e, anos depois, uma de suas netas se casou com um neto de Langevin – expediente que alguns autores, entre eles Laura Esquivel, em Como água para chocolate, e Emily Brönte, em O Morro dos Ventos Uivantes, criaram para redimir os amores impossíveis, unindo os descendentes dos amantes que jamais puderam viver felizes para sempre.

Porque sim, a arte vive da imitação da vida.