Em junho, 2º Fórum fará novo debate sobre o Porto | Diário do Porto


Evento

Em junho, 2º Fórum fará novo debate sobre o Porto

Novo evento reunirá empresários e autoridades para discutir ações que fortaleçam o Porto Maravilha. Propostas serão oferecidas aos candidatos à Prefeitura

21 de janeiro de 2020

No 1º Fórum de Soluções para o Porto Maravilha, 238 pessoas participaram do evento (foto: DiPo)

Compartilhe essa notícia:


Depois do sucesso da primeira edição, o Clube Empreendedor e o DIÁRIO DO PORTO vão realizar no próximo mês de junho o 2º Fórum de Soluções para o Porto Maravilha. O evento, que é semestral, vai reunir novamente empresários, empreendedores, moradores e autoridades para discutir e propor as melhores alternativas para o desenvolvimento do projeto de requalificação urbana da região portuária do Rio.
Na segunda edição, o Fórum formulará especialmente sugestões que serão oferecidas aos candidatos à nova gestão do Município, cuja eleição ocorrerá no segundo semestre de 2020.
Na primeira edição, realizada no último dia 9 de dezembro, 238 pessoas se reuniram no auditório do Novotel, no Santo Cristo, das 9h às 13h. Ao final dos 4 painéis do evento, a avaliação geral mostrou que o dia foi muito produtivo, com debates e propostas consistentes para os desafios de infraestrutura, habitação, geração de novos negócios e renda no coração da cidade.
A primeira edição contou com o patrocínio da Fecomércio RJ (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro) e apoios da Band Rio, jornal O Fluminense e do edifício Novo Cais.
A ausência da Caixa Econômica Federal foi muito lamentada pelos palestrantes e debatedores do Fórum. Depois de haver confirmado a presença de seus executivos e apoio ao evento, o banco gestor dos R$ 8 bilhões do FGTS investidos no Porto Maravilha desistiu de participar, sem explicações. Os que deviam ser os maiores interessados nos debates, faltaram com a transparência.


LEIA TAMBÉM:

Turistas à vista: 87 mil chegam ao Píer Mauá em janeiro

A Cedae e o medo que sai das torneiras do Rio

Moinho Fluminense entra em 2020 sem futuro definido


Durante as apresentações e debates, o 1º Fórum produziu vários consensos, ente eles a necessidade de iniciativas para elevar a qualidade de vida nas comunidades da região e também de novos empreendimentos residenciais para atrair moradores e, naturalmente, consumidores.
O presidente da Fecomércio, Antonio Florencio de Queiroz Junior, foi o principal palestrante do painel que encerrou o 1º Fórum e discutiu as perspectivas do turismo, da indústria cultural e a liberação dos cassinos em resorts integrados.
A mediação do painel foi feita por Luís Cláudio Souza Leão, presidente do Clube Empreendedor. Participaram o vice-governador do Estado, Cláudio Castro; o procurador-geral do Estado, Marcelo Lopes; Paulo Protásio, presidente da Câmara Rio, e o deputado federal Hugo Leal.
Queiroz foi enfático sobre a necessidade urgente de se tomar medidas que beneficiem os moradores das comunidades, por meio de obras de urbanização. “Não existe a possibilidade de diferenças sociais tão gritantes conviverem harmoniosamente no mesmo espaço. Se não fizermos um trabalho para todos os moradores da região, vamos repetir no Porto o erro que já ocorreu nas outras áreas da cidade”, afirmou.
Luís Cláudio Souza Leão afirmou que o estímulo ao empreendedorismo é um poderoso instrumento para a geração de empregos e renda, o caminho mais consistente para a redução das desigualdades. “O Porto tem essa vocação, aponta para o futuro do Rio. Temos que aproveitar os encontros neste Fórum para traçar caminhos comuns em busca de uma sociedade melhor para todos”, afirmou.
O procurador-geral do Estado, Marcelo Lopes, também enfatizou a necessidade de promover a integração dos moradores das comunidades nos grandes empreendimentos do Porto Maravilha, como forma de democratizar os investimentos públicos e privados feitos na região.

Cassino no Porto

O vice-governador Cláudio Castro apresentou números que mostram um crescimento da ocupação dos hotéis no Rio, o que, segundo ele, é reflexo também de ações do Governo do Estado. Entre as iniciativas para fortalecer o setor, ele declarou que a gestão Wilson Witzel é totalmente favorável à legalização dos cassinos no país.
Os modelos em discussão no Congresso para a legalização dos jogos foram apresentados pelo deputado federal Hugo Leal (PSD-RJ). Ele defendeu que a melhor solução é aprovar o projeto de lei 442/1991 da Câmara de Deputados. O projeto autoriza cassinos somente em resorts integrados, que são complexos turísticos com hotéis, centros de convenções, casas de shows e shoppings. Os estabelecimentos para jogos só podem ocupar 5% da área.
No terceiro painel do evento, o arquiteto Marcelo Conde, da STX Desenvolvimento Imobiliário, chegou a mostrar um projeto de resort integrado no Porto Maravilha. A ideia já foi apresentada no início de 2019 ao megaempresário americano Sheldon Adelson, que investe em cassinos pelo mundo e manifestou interesse em fazer um grande empreendimento no Rio.


/