Imóveis

Edifício A Noite, agora da SPU, segue sem vistoria dos Bombeiros

A transferência de guarda do edifício A Noite foi feita no último dia 18. Passo importante para o leilão do prédio, cujo abandono afeta a Praça Mauá

26 de maio de 2020
Novela finalmente se aproxima do fim e edifício A Noite deve finalmente ser leiloado (Foto: Dipo)

Compartilhe essa notícia:


A venda do edifício A Noite está cada vez mais próxima de uma concretização. O prédio, desde o último dia 18, passou à guarda da Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União (SPU), deixando de ser responsabilidade do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Essa mudança é essencial para o processo de leilão do prédio, segundo o Ministério da Economia.

Na vistoria para reversão da guarda, foram observadas as condições gerais do edifício A Noite. A última inspeção realizada no prédio havia acontecido em agosto de 2019, para fins de avaliação patrimonial.

Bombeiros ainda não foram ao A Noite

Entretanto, ainda não foi realizada nenhuma vistoria pelo Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro para verificação da segurança contra incêndios ou avaliação estrutural. Segundo nota do Ministério da Economia, a vistoria pelos Bombeiros “não consta dos procedimentos obrigatórios para reversão do referido prédio”.

O processo de venda do A Noite foi paralisado em 2018, quando houve uma tentativa de leilão, fracassada por pendências cartoriais. Ainda não há previsão de data para a publicação do novo edital de venda.


LEIA MAIS

Rodoviária do Rio e viações estão prontas para volta das viagens

Rio Star ajuda famílias do Porto, ao vender ingressos para o pós-pandemia

Rio lança e-book para visitas virtuais a museus do Estado


Em 2016, o prédio havia sido avaliado em R$ 137 milhões. Já em agosto de 2019 a avaliação realizada determinou o valor de R$ 90 milhões.

Gigante arquitetônico e histórico, o edifício foi construído no final dos anos 20 do século passado e, até 1934, era o mais alto do Brasil, com 102 metros. Ele abrigou as sedes do jornal A Noite e da Rádio Nacional, que chegou a ser o principal veículo brasileiro de comunicação e onde foram lançadas as primeiras radionovelas do país. Atualmente, a degradação do prédio, no coração do Porto Maravilha, gera transtornos para seu entorno, na Praça Mauá. Comércio e residências são afetados pelo cenário de abandono.

Iphan também não fez vistoria

Tombado em 2013, o A Noite passou, desde então, também para a tutela do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O Instituto previa fazer em março uma inspeção no prédio, para verificar suas condições estruturais. Mas a pandemia do novo coronavírus obrigou que o procedimento fosse adiado, segundo a instituição.

“Assim que as atividades presenciais forem retomadas, a vistoria do A Noite será realizada, pois se trata de uma das prioridades deste ano no planejamento de fiscalizações do Iphan no Rio de Janeiro”, informou o Instituto ao DIÁRIO DO PORTO.