Economia ilegal e pirataria geraram R$ 135 bi no RJ em 2019 | Diário do Porto


Negócios

Economia ilegal e pirataria geraram R$ 135 bi no RJ em 2019

Estimativa da Fecomércio-RJ revela que valor movimentado pela economia ilegal e pirataria é compatível com PIB de países da América Central e Leste Europeu

16 de dezembro de 2021

Comércio ilegal movimentou R$ 135 bi no RJ em 2019 (Fecomércio RJ / divulgação)

Compartilhe essa notícia:


De acordo com as estimativas doInstituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec RJ), em 2019 a economia subterrânea do estado do Rio de Janeiro representou uma movimentação financeira de R$ 135 bilhões, cerca de 10,3% do valor nacional, projetado em R$ 1,308 trilhões, pelo modelo IFec RJ. Valor bem próximo do apurado no formato da FGV/ETCO, que foi de R$ 1,278 trilhões.

O valor movimentado pela economia subterrânea no estado do Rio em 2019 (US$ 58,5 bi – R$ 135 bilhões) é compatível com o PIB de países da América Central segundo o índice PPC (Paridade de Poder de Compra), do Banco Mundial, entre eles Honduras US$ 58,3 bi; El SalvadorUS$ 59,2 bi e do Leste Europeu (Geórgia US$ 58,1 bi;Letônia – US$ 61,3 bi). A PPC é a forma mais adequada de comparar o PIB em diferentes moedas.

A economia subterrânea é a nomenclatura utilizada para classificar a realização de atividades (produtos de bens e serviços) não declarados ao Governo ou declarado mas sendo produto de roubo. Seu objetivo: sonegar impostos; evadir contribuições previdenciárias; driblar normas trabalhistas; e evitar demais custos.

Os dados foram revelados na reunião do Conselho de Combate ao Mercado Ilegal do último dia 13. Idealizado pela Fecomércio RJ, o encontro tem como objetivo debater caminhos para o combate ao mercado ilegal, que tanto prejudica a economia do país e do estado do Rio de Janeiro, em especial.

Para obter uma estimativa do impacto da economia subterrânea no estado do Rio de Janeiro, tendo como base o método desenvolvido pelo ETCO/FGV – que consiste na média dos métodos monetário e de trabalho informal (renda e trabalhadores) -, a equipe do IFec RJ utilizou um modelo estatístico baseado na relação entre o consumo de energia elétrica e o PIB. Vale ressaltar que a estimativa final considera tanto o método do consumo de eletricidade quanto o método do trabalho informal.

O novo modelo é capaz de suprir a ausência de dados monetários ao estimar uma participação pela ótica da produção, ao invés de utilizar uma ótica de demanda. Essa metodologia que analisa o consumo de energia para apurar informações sobre a atividade econômica total já é amplamente utilizada pelo mercado.

Foram consideradas as seguintes variáveis: consumo de energia elétrica (ANEEL), PIB por setores econômicos (IBGE), Preço do petróleo bruto (Ipeadata/Energy Information Administration) e Índice de temperatura média global (NASA).


LEIA TAMBÉM:

Marinha avança no plano para submarino nuclear

Alerj suspende licença para obras no Santos Dumont

Firjan questiona Petrobras por preço de gás natural


Fecomércio RJ recebe prêmio por combate à economia ilegal

A Fecomércio RJ foi agraciada com o Prêmio Nacional de Combate à Pirataria (PNCP), na categoria “Educacional – impactos voltados ao consumidor”. A premiação é uma iniciativa Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CNCP), vinculado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, e reconhece acadêmicos e organizações públicas e privadas que se destacaram no combate à pirataria e na proteção aos direitos de propriedade intelectual.