Cinema

É hora de refletir sobre o futuro do cinema brasileiro

Fórum de Audiovisual no Centro Cultural da Justiça Federal reúne debates, oficina de cinema de animação e exibição de filmes. Tudo aberto e de graça

21 de novembro de 2018
Foto: Divulgação

Compartilhe essa notícia em sua rede social:
CCJF
Centro Cultural Justiça Federal recebe fórum sobre o futuro do audiovisual no Brasil (Foto: Divulgação)

Já vai longe o tempo em que assistir um filme nacional era coisa de cinéfilo amador. As grandes produções brasileiras tomaram a telona nas duas últimas décadas, levando  os brasileiros a sentir orgulho de frequentar o cinema. Mas como é fazer cinema no Brasil em tempos de crise e de novas janelas de exibição?

Além dos programas do governo, quais são as outras fontes de recurso para o cinema nacional? Existe algum tipo de plateia que continua fiel à exibição em sala de projeção?  Trazer as pessoas de volta às salas de cinema ou não deixá-las partir deve ser uma preocupação do profissional de cinema?

Para responder a estas e outras questões, o Centro Cultural da Justiça Federal promove entre quarta e sexta-feira, dias 21 a 23 de novembro, o Fórum de Audiovisual – Cinema Nacional em Discussão no CCJF. O evento reúne mesas redondas com profissionais da área, debates, uma oficina de cinema de animação e exibição de filmes. As atividades são abertas ao público e gratuitas.

De acordo com os organizadores, o projeto apresenta e discute o audiovisual brasileiro, com foco no cinema da atualidade, mais especificamente o de pequeno e médio porte realizado no período entre a pós-retomada até a atualidade.

O objetivo é traçar um panorama crítico do contexto atual do cinema nacional, com foco nos desafios enfrentados num momento em que a produção audiovisual comercial e autoral brasileira vive uma fase de vigor, tanto em termos de qualidade e conteúdo, quanto de técnica.

A aproximação do público de profissionais do audiovisual, em um debate estrutural do cinema, intenciona estimular o interesse pela cinematografia brasileira contemporânea e fornecer mais uma oportunidade dos profissionais discutirem temas como políticas públicas de incentivo e as iniciativas independentes.

Por que acreditar no Cinema Brasileiro?’ foi o tema da mesa de abertura nesta quarta (21).Como é fazer cinema no Brasil em tempos de crise e de novas janelas de exibição como o VOD (video on demand)?  É possível fazer cinema prescindindo dos apoios público e privado? O cinema brasileiro tem futuro?

Em torno dessas questões, participaram do debate Reis Freire, diretor geral do CCJF; Daniela Pfeifer, diretora do CTAV, Irene Ferraz, diretora e fundadora da Escola Darcy Ribeiro; Luis Carlos Lacerda, diretor de cinema; Flávio Ramos Tambellini, sócio fundador da Tambellini Filmes e Tizuka Yamazaki, diretora de cinema. A mesa foi mediada por Maria Geralda de Miranda, diretora executiva do CCJF.

Fórum de Audiovisual – Cinema Nacional em Discussão no CCJF conta com apoio institucional do CTAv – Centro Técnico Audiovisual e do Canal O Cubo.  O evento tem consultoria da professora Márcia Bessa, da ECDR/IBAv, pesquisadora do Grupo de Pesquisa (CNPq) CIEC/ECO/UFRJ e diretora da MP2 Produções.

VEJA MAIS:

CCJF: Cinema para quem gosta de fazer cinema

Festival do Rio ocupa a Cinelândia com o melhor do cinema

Encontro de Cinema Negro reúne 100 produções em três espaços culturais

Confira a programação

Dia 22/11

  • 9h às 10h30: “Cinema brasileiro e suas plateias”

Existe mesmo um êxodo da plateia do cinema? Em caso positivo, a que se deveria? Onde está agora a plateia do cinema? Existe algum tipo de plateia que continua fiel a exibição em sala de projeção? Que plateia seria essa? Trazer as pessoas de volta às salas de cinema ou não deixá-las partir deve ser uma preocupação do profissional de cinema? Em caso positivo quais as propostas de preservação ou criação de plateia? Que plateias poderiam estar no espaço de cinema e não estão? Por que elas ainda não estão lá? O que se pode fazer para mudar isso.

 

– João Luiz Vieira – Professor de cinema da UFF

– Hernani Heffner -Pesquisador, graduado em Comunicação Social/Cinema pela UFF

– Guto Neto – Diretor, produtor de cinema e professor (FACHA), diretor da produtora Semear Filmes

– Camilo Cavalcanti – produtor de cinema, sócio fundador da Clariô

 

  • 11h às 12:30: “Cinema brasileiro e o circuito exibidor”

Como vocês avaliam a produção de cinema atual e a relação com o circuito exibidor. A distribuição de conteúdo brasileiro continua sendo um problema quando deveria ser a solução? As produções comerciais conseguem o retorno esperado? Existem programas capazes de diminuir um pouco a dificuldade da exibição dos filmes ditos autorais no grande circuito? Qual o papel dos festivais e cineclubes? Como é a rotina de um curador de festival de cinema no Brasil. 

– Ilda Santiago (Diretora de festivais, Distribuidora, Exibidora)

– Adailton Medeiros (Exibidor do Ponto Cine)

– Raphael Aguinaga (Exibidor da Vilacine e Cine Joia)

– Talitha Ferraz (Docente de Cinema ESPM-Rio e PPGCINE)

 

Dia 23/11

  • 09h às 10h30: “O cinema brasileiro autoral e independente”

Como vai o cinema autoral e independente brasileiro? Pede-se aos palestrantes que deem seu depoimento a partir da prática diária com este conteúdo, fazendo uma análise em termos qualitativos e quantitativos mapeando inclusive sua função social em relação aos temas de abordagem.

 

– Anderson Moreira – Doutorando em cinema pela UFF e curador de mostra Ciclo de Cinema, Cultura e Direitos Intelectuais

– Clélia Bessa – Produtora Audiovisual e Professora (PUC-Rio) com especialização em Tecnologia no Ensino Superior
– Guilherme Weimann – Produtor

– Tchello d’Barros – Escritor, roteirista e diretor da Fluxo Filmes – mediador

 

  • 11h às 12:30: “O cinema brasileiro e as novas tecnologias”

Nesta mesa o debatedor deverá trazer sua prática profissional para compartilhar conosco como as novas tecnologias estão ajudando a vencer dificuldades para exibição dos filmes e/ou como elas podem dificultar.

 

– Luis Baez – crítico de cinema, mestrando em Comunicação (PUC)

– Thiago Fraga – Produtor executivo do canal O cubo

– Wilson Oliveira – Docente Cinema/Coordenador Fotografia da Unesa – mediador

– Elianne Ivo Barroso – Professora do Departamento de Cinema e Vídeo da UFF

Mesas de Comunicação

Dia 22/11

  • 14h30 às 16h: Sessão 1
  • 16h30 às 18h: Sessão 2

Dia 23/11

  • 13h30 às 15h: Sessão 3
  • 15h30 às 17h: Sessão 4

 

Atividades Extras

  • Oficina de animação da CTAv

Curso básico em animação com os tópicos: princípios físicos do movimento, linguagem cinematográfica e princípios da animação. Instrutor: Sergio Arena – responsável técnico pelo Núcleo de Animação do CTAv – Centro Técnico Audiovisual do Ministério da Cultura, fotógrafo, produtor de finalização e diretor de animação. Turma de 10 alunos, com idade a partir de 16 anos.

 

21, 22 e 23 de novembro

Quarta a sexta

10h às 13h

Sala de Cursos

 

  • Mini-Mostra Fórum de Cinema Brasileiro Contemporâneo CCJF 

21/11

– 17h30 às 18h: Conto de Fadas (14min, Brasil, 2017, Caio Scott

– 18h às 19h30: Aquilo que Sobra (Brasil, 2018, Humberto Giancristofaro)

– 19h30 às 21h: A Glória e a Graça ( Brasil, 2017, Flavio Ramos Tambellini)

 

22/11

– 18h às 21h: “Especial Canal O Cubo” com curadoria de Fabiano Cafure

Seleção dos filmes premiados na última edição do  5º Festival O Cubo de Cinema. Apresenta também de forma inédita o filme premiado pelo júri popular a ser escolhido até o dia da exibição.


21 e 22 de novembro

Quarta e quinta

17h30 às 21h

Cinema do CCJF

Para mais informações: (21) 3261-2550 e faleconosco@trf2.jus.br

 

Compartilhe essa notícia em sua rede social: