Dia dos Avós deve movimentar R$ 600 milhões no RJ | Diário do Porto


Comércio

Dia dos Avós deve movimentar R$ 600 milhões no RJ

O valor médio dos presentes, no Dia dos Avós, em 26/7, será de R$ 116, segundo o Instituto Fecomércio-RJ. Roupas, perfumes e cosméticos lideram ranking

23 de julho de 2021

Agência Brasil)

Compartilhe essa notícia:


O Dia dos Avós deste ano, comemorado na próxima segunda-feira 26, deve movimentar R$ 600 milhões na economia do Estado do Rio de Janeiro, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec RJ). Cerca de 5,2 milhões de fluminenses devem presentear os avós na ocasião – 37% dos consumidores, um percentual menor ao de 2020 (49,5%). O ticket médio deste ano corresponde a R$ 116,34.

O ranking de presentes para este Dia dos Avós é liderado por roupas (31,4%), perfumes e cosméticos (26,7%), cesta de café da manhã (20,9%), calçados, bolsas ou acessórios (19,8%) e flores (17,4%). O número de consumidores que comprará mais de um tipo de item aumentou neste ano: 32,6%. Em 2020, esse índice correspondia a 11,4%. Em relação ao local de compra, 40,7% pretendem adquirir os presentes nas lojas físicas, 22,1% no e-commerce e 37,2% em ambas as opções.

Dia dos Avós teve mais cestas em 2020

De acordo com os pesquisadores, no Dia dos Avós do ano passado, as consequências da pandemia para os idosos impactaram mais a decisão dos consumidores, tendo em vista que o presente mais escolhido (cesta de café da manhã) tinha relação com o isolamento social. Entre os que optaram por não comprar presentes neste ano, 74,9% afirmam que a decisão não possui relação direta com a pandemia e 25,1% atribuem a escolha a este momento específico.

A sondagem ocorreu entre os dias 7 e 11 de julho e contou com a participação de 354 consumidores fluminenses, com o objetivo de estimar a movimentação financeira do comércio, em virtude da data comemorativa, além das expectativas de consumo.


LEIA TAMBÉM:

Fecomércio RJ aponta otimismo entre os comerciantes

Cassinos, no exterior, preparam-se para o pós-pandemia

Agora é lei: bares e restaurantes do RJ terão incentivos fiscais