Demanda por delivery cresce na gastronomia do Rio | Diário do Porto


Comércio

Demanda por delivery cresce na gastronomia do Rio

Box Delivery cresce 24% e aumenta em 15% o volume de entregas no Rio. Magalu, que abre 50 lojas físicas este ano no Rio, tem a Plus Delivery, que integra o AiQFome

1 de agosto de 2021

Entregadores de app estão entre os 7% dos jovens empreendedores do Rio (divulgação)

Compartilhe essa notícia:


Rosayne Macedo

Em franca expansão, o serviço delivery registrou aumento de 60% no número de entregas no último ano, de acordo com o Instituto Food Service Brasil (IFB). Isso representou verdadeira salvação para muitos estabelecimentos que tiveram que baixar as portas durante o isolamento social motivado pela Covid 19 ou limitar o acesso de clientes na flexibilização das medidas restritivas. E o Rio de Janeiro seguiu a tendência. A Box Delivery, plataforma que conecta estabelecimentos comerciais a entregadores parceiros, registrou crescimento de 24% e um aumento de 15% no volume de atendimentos no primeiro quadrimestre deste ano.

Consumidores cariocas contam com inúmeros estabelecimentos gastronômicos que entregam, via delivery próprio ou por aplicativo, pratos, porções, lanches e petiscos para serem degustados na tranquilidade do lar. É o caso das redes Açougue Vegano, Bendito, Casa de Bolos e Espetto Carioca. Há ainda a expectativa da chegada do serviço do Magalu, gigante do varejo que está abrindo 50 lojas físicas este ano no Rio. A rede adquiriu recentemente a Plus Delivery, plataforma especializada no delivery de alimentos, que passou a integrar a AiQFome, presente em 580 cidades do País. Em junho o serviço registrou mais de 2,7 milhões de pedidos, elaborados por cerca de 28 mil restaurantes parceiros,


LEIA TAMBÉM:

Varejo em alta: grandes redes apostam no Estado do Rio

Agora é lei: bares e restaurantes do RJ terão incentivos fiscais

Bares do Porto, Centro e Paquetá na disputa do “Comida di Buteco 2021”


Lei prioriza idosos

E tudo indica que não se trata de uma emergência ou moda pandêmica. Pesquisa encomendada pela empresa VR Benefícios em setembro de 2020 revelou aumento de 10% para 17% no número de pessoas que desejam trocar a ida ao restaurante no almoço por pedidos de delivery no próprio escritório ao voltar ao ambiente profissional. E o perfil etário dos usuários de entrega de comida está mudando. De acordo com a pesquisa Números do delivery online no Brasil em 2020, realizada pela Delivery Much, 70% dos entrevistados com mais de 50 anos afirmaram ser usuários do serviço, tendo como média de três a cinco pedidos por mês.

Para facilitar a vida dos idosos que fazem uso do recurso, maiores de 60 anos no estado do Rio de Janeiro passaram a ter prioridade no atendimento de serviços de entrega, como define a Lei 8.807/2020, publicada no Diário Oficial do Executivo em maio de 2020. Empresas que descumprirem a determinação estarão sujeitas a multa entre R$ 1.066,50 e R$ 10.665,00, valor dobrado em caso de reincidência. O valor arrecadado com as multas deve ser destinado, em igual proporção, aos Fundos Estaduais de Saúde (FES) e de Investimentos e Ações de Segurança Pública e Desenvolvimento Social (FISED).

Outra lei estadual, publicada em DO em maio de 2020, prevê que estabelecimentos comerciais, empresas de serviço de entrega e condomínios residenciais e comerciais do estado não poderão impedir a entrega efetiva da mercadoria diretamente na porta da casa, apartamento ou sala comercial que consta no pedido da compra por delivery. O descumprimento da norma acarreta multa de R$ 711,00, por infração. Os valores são revertidos à Secretaria de Estado de Saúde (SES). O regulamento vale durante o período de calamidade pública devido ao coronavírus.

O céu é o limite

Algumas empresas optaram por estabelecer um sistema próprio de entregas. Outras preferiram se cadastrar nos diversos aplicativos de comida em delivery existentes. O Sebrae, em parceria com a Associação Brasileira de Bares Restaurantes (Abrasel)informa que, antes da pandemia, apenas 25% das empresas alimentícias estavam em plataformas de entrega. Hoje esse número ultrapassa os 72%.

A pesquisa ainda evidencia que 54% dos empresários usavam o delivery antes da pandemia. Ao ser declarado o isolamento social em 2020, esse número cresceu 12%, passando para 66%. Os gastos dos usuários nas plataformas de delivery aumentaram mais de 94%. Outro estudo realizado pela Mobilis mostrou que gastos com aplicativos de entregas, em especial para comidas prontas, cresceram 149% na pandemia.