Na pandemia, empreendedoras driblam a crise | Diário do Porto


Empreendedorismo

Na pandemia, empreendedoras driblam a crise

Apesar da queda de 13% no empreendedorismo feminino durante a pandemia, mulheres se reinventam em diferentes áreas para driblar a crise da Covid-19

25 de julho de 2021

Três: atrizes se uniram para produzir peça online inovadora (Foto: Janderson Pires)

Compartilhe essa notícia:


Pesquisa do Sebrae revela que, durante a pandemia, houve queda de 13% no número de empreendedoras no Brasil, o que significa que o País conta com 8,6 milhões de mulheres liderando negócios próprios – 1,3 milhão a menos que o registrado em 2019. Entre 2016 e 2019, o número de mulheres à frente do próprio negócio subiu de 8,2 para 9,9 milhões, uma alta de mais de 20%. Mas a chegada da Covid-19 interrompeu esse ciclo virtuoso.

Com a família em isolamento social, muitas precisaram passar mais tempo cuidando dos filhos e da casa,. A pesquisa Estatísticas de Gênero – Indicadores sociais das mulheres no Brasil, divulgada este ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontou a disparidade entre homens e mulheres no tempo dedicado às tarefas domésticas. Enquanto a média semanal do público feminino é de 20, 4 horas, a do masculino é de 11 horas.

Criatividade x pandemia

Apesar do Coronavírus ter intensificado a desigualdade de gêneros no cenário econômico, muitas mulheres têm conseguido driblar essas dificuldades em segmentos que não param de crescer, como o de alimentação saudável.

De olho nesse mercado em expansão, a administradora Ana Clara Bianchi e a nutricionista Valesca Trapp criaram o aplicativo Smartliv, que ajuda os usuários a ter uma alimentação mais saudável. Segundo Valesca, o objetivo da plataforma é revolucionar a forma com que o mundo se relaciona com a comida caseira. “Queremos democratizar, de forma prática e com o apoio da tecnologia, o acesso a uma alimentação saudável e a preço justo para todos.”

 

A empreendedora Valesca Trapp é nutricionista e criou um aplicativo para alimentação saudável (Reprodução da internet)

LEIA TAMBÉM

Estado pode financiar negócios liderados por mulheres

‘Economia do Mar’ mobiliza empresas do Rio

Fecomércio RJ aponta otimismo entre os comerciantes


Atrizes e empreendedoras da cultura

Na área cultural, três empreendedoras cariocas se uniram para produzir a adaptação de uma peça de teatro para a internet. O trio criou um teatro-série de quatro episódios, de 15 a 20 minutos cada, exibidos desde a semana passada no canal do Youtube Minutinho Cult. A peça Alethea Dreams voltaria aos palcos quando a crise do Covid-19 paralisou o mundo dos espetáculos. Mas em um cenário incerto, as atrizes Luciana Malavasi, Monique Franco e Francine Flach se viram obrigadas a pensar em uma alternativa para o projeto.

“Decidimos adequar nossa turnê para um produto virtual, mas sem ser uma peça simplesmente filmada e, sim, uma gravação original, mesclando as linguagens do audiovisual com o teatro”, lembra Monique. O pioneirismo do trio deu resultado. Após 10 meses de trabalho, elas conseguiram chegar ao formato desejado. Além da novidade em si, a nova proposta ganha em abrangência, pois pessoas de qualquer lugar do mundo podem assistir à obra teatral.