Imóveis

Cresce oferta de imóveis residenciais para venda ou aluguel, no Rio

Houve aumento de 4,2% na oferta de imóveis residenciais para venda, nos primeiros dias de junho. Para locação, o crescimento foi de 6,4%, diz Secovi-Rio

18 de junho de 2020
Oferta de imóveis residenciais para aluguel ou venda cresceu nos primeiros dias de junho, no Rio (foto: Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


O mercado imobiliário do Rio vem dando sinais de recuperação. Nos primeiros dias de junho houve aumento de 4,2% na oferta de imóveis residenciais para venda.

Isso é que mostra levantamento do Secovi Rio, sindicato patronal que representa condomínios, administradoras, imobiliárias e incorporadoras do Estado

De acordo com o estudo, até o dia 12 haviam sido ofertados 80.186 imóveis residenciais, contra 76.938 em mesmo período do mês anterior. O crescimento mostra um dinamismo maior no mercado, que havia tido uma queda de 17,7% nos meses de março e abril, afetado pelo confinamento social em decorrência do novo coronavírus.

Houve variação positiva, 1,3%, também para o valor de venda do metro quadrado de imóveis residenciais, atingindo R$ 8.667. No mês anterior, o valor havia sido de R$ 8.554.

Pandemia afetou oferta de imóveis residenciais

Nesses primeiros dias de junho, também foi constatado crescimento, 6,4%, no número de imóveis residenciais para alugar, com 13.164 unidades, contra 12.370 em maio. Em abril, havia sido verificada uma queda de 14,8% em relação a março.

Segundo análise do Secovi-Rio, os números mostram que os proprietários de imóveis residenciais estão voltando ao mercado imobiliário, depois dos primeiros meses de pandemia, em que a insegurança causou retração nas ofertas e nas intenções de compra ou locação.

Houve receio principalmente de inadimplências, perda de emprego e renda, além de futuras ações para redução dos valores de aluguel, caso permanecesse o cenário de confinamento social com reflexos ainda mais negativos na economia.


LEIA MAIS:

Guia do Mercado Imobiliário orienta quem quer investir em imóveis

Baía de Guanabara tem poluição menor e mais lixo recolhido

Concessionária não cuida mais dos túneis do Porto e cobra 1 bilhão