Cortinas reabertas no Theatro Municipal | Diário do Porto


Dança

Cortinas reabertas no Theatro Municipal

Fechado desde 13 de março de 2020, Theatro Municipal terá apresentações gratuitas programadas para os próximos dias 28, 29, 30 e 31 de outubro

22 de outubro de 2021

Bailarinas de Paquita Grand Pas Classique ao centro do palco (foto: Igor Côrrea)

Compartilhe essa notícia:


Paula Pires

A cultura volta a pulsar no imponente Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Integrantes da Companhia Ballet da Escola Maria Olenewa (Cia. BEMO) e do corpo de baile do Ballet do Theatro Municipal (BTM) estão em processo de ensaio final das coreografias Paquita Grand Pas Classique e Noite de Walpurgis (obras clássicas já encenadas mundialmente) para quatro recitais de portas abertas e com ingressos gratuitos que poderão ser garantidos nas bilheterias do teatro entre 10h e 18h nos dias das aprsesentações, 28, 29, 30 e 31 de outubro (ler mais em Serviço).

Sob o olhar atento do regente interino do Corpo de Baile do Theatro e diretor da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, Hélio Bejani, os bailarinos se preparam há mais de um mês, com ensaios diários que chegam a durar cerca de 7 horas.

Para a marcação das coreografias, os artistas são orientados pelo ensaiador e pelo próprio Bejani. Hoje, com 61 anos, ele se orgulha de estar à frente de um dos mais prestigiados teatros da América Latina. “O trabalho é árduo, mas traz uma grande recompensa ao final de cada apresentação”.

Dupla de bailarinos é “cria” da Escola Maria Olenewa

Um dos destaques desta temporada é a bailarina negra Marcella Borges, de 20 anos, que estreará como primeira solista na coreografia Paquita Grand Pas Classique. Ela já está com passagem comprada para fazer uma audição no Teatro Sodre, de Montevidéu, no Uruguai, em meados de novembro.

A estatura física de Marcella Borges, com os olhos castanhos altivos e brilhantes, impressiona. Com 50 quilos distribuídos em 1 ,65 m, ela tem a leveza e o vigor físico necessários para a posição que ocupará.

Cria da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa desde os 8 anos de idade, Marcella disse que se apaixonou pelo ballet ao ver na televisão a icônica primeira bailarina Ana Botafogo. “Comecei a dançar numa escola do bairro onde moro, em Campo Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro. Foi lá que me indicaram para fazer a prova na Escola Estadual Maria Olenewa”. Marcella acrescenta: “Sempre fui muito determinada e a distância, Campo Grande – Centro da Cidade, todos os dias, nunca foi um desconforto. Pelo contrário, fiquei mais focada e hoje ainda faço faculdade de Fisioterapia como bolsista do IBMR (Instituto Brasileiro de Medicina e Reabilitação).”

Outro bailarino que atrai a atenção é Tiago Tononi, de 21 anos. Ele entrou na Escola com 16 anos. “Minha mãe estava doente e meu pai me incentivou para eu fazer uma atividade. Daí, uma vizinha professora de ballet me levou para fazer uma aula e não parei mais”. A família, que mora em Saquarema, região dos lagos do estado do Rio de Janeiro, deu total apoio ao rapaz a vir morar no Rio. “Apesar da saudade, sinto que é este o caminho que quero seguir”, pontua Tiago.

Edital para nova audição será lançado ainda este ano

Todos os alunos que entram na Maria Olenewa passam por um processo seletivo. Crianças a partir de oito anos podem se inscrever no Edital. São nove anos de formação, o que garante ao aluno um Diploma Reconhecido pelo Conselho Estadual de Dança como curso profissionalizante. Segundo o professor de História da Dança e pesquisador, Paulo Melgaço, de 53 anos, são seis anos de curso regular, além de mais três anos de curso técnico. “É uma peneira. Da última seleção, foram 400 candidatos, sendo selecionados apenas 40”.

Entre as primeiras (os) bailarinas (os) que já passaram pela escola, vale lembrar de nomes como: Madeleine Rosay, Bertha Rosanova, Tamara Capeller, Marcia Haydée, Eleonora Oliosi, Nora Esteves, Áurea Hammerli, Claudia Mota (1ª bailarina atualmente do TMRJ), Cícero Gomes (1º bailarino atual do TMRJ), Márcia Jaqueline (1ª bailarina atualmente do TMRJ).

Em Pas de Deux: a leveza da bailarina Marcella Borges e seu partner Tiago Tononi. (Foto: Daniel A. Rodrigues)

Serviço:

Theatro Municipal de Portas Abertas

Espetáculo: Paquita Grand Pas Classique/Noite de Walpurgis

Entrada Franca

Datas:

28/10 – 19h – Récita 1

29/10 – 19h – Récita 2

30/10 – 16h – Récita 3

31/10 – 16h – Récita 4

Lugares disponíveis: 550 – plateia e balcão nobre (serão autorizados quatro ingressos por CPF). Retirada de ingressos: no dia das apresentações a partir das 10h

Horário de funcionamento da bilheteria – 10h às 18h

Endereço da bilheteria: Av. Treze de Maio – Boulevard

Apresentações

Praça Floriano, s/ nº – Cinelândia, Classificação: Livre.

Redes Oficiais do TMRJ

Site: http://theatromunicipal.rj.gov.br/

Canal do YouTube: theatromunicipaldoriodejaneiro

Facebook: theatro.municipal.3

Instagram: theatromunicipalrj

 


LEIA TAMBÉM:

Rio exige novo modelo de licitação para Santos Dumont

Setrans contratará estudo para nova licitação das Barcas

Minas é exemplo para Rio na luta pelo Galeão