Conheça histórias de mães e filhas empreendedoras | Diário do Porto


Empreendedorismo

Conheça histórias de mães e filhas empreendedoras

Para o Dia das Mães, contamos casos bem sucedidos de parcerias de mães empreendedoras com suas filhas. Conheça cinco histórias em várias cidades do país

8 de maio de 2021

Fátima e Priscila: 'ninguém se intromete na função da outra'

Compartilhe essa notícia:


Em 2017, Danielle Fonseca abriu uma franquia do curso de idiomas CNA em Pedra de Guaratiba, na Zona Oeste do Rio. Foi um desafio e tanto, mas ela não estava sozinha. Ao seu lado estava a filha Dayane Macedo, à época com 19 anos, que participava de todos os processos internos.

De acordo com estudo do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), a estimativa do número de mulheres empreendedoras no Brasil, em 2019, foi de 25,8 milhões. Muitas delas, como Danielle, têm a sorte – ou a necessidade – de contar com a companhia dos filhos na empreitada. Neste Dia das Mães, o Diário do Porto conta algumas dessas histórias.

Danielle com o marido e os filhos
Danielle com o marido e os filhos, que a acompanharam nos negócios

No CNA de Barra de Guaratiba, a filha de Danielle começou como supervisora e decidiu fazer faculdade de marketing para ajudar nos negócios. A parceria não durou muito, mas foi fundamental para que, em 2019, Dayane partisse com o marido para outro desafio: uma escola do CNA em Itaguaí. Chegou então a vez do caçula de Danielle, Armando Júnior, de 20 anos, entrar na parceria com a mãe.

“Quando convidei meus filhos para participarem desse processo comigo, foi com propósito de passar para eles a nossa experiência profissional” disse Danielle. “Assim como eu, meus filhos sempre gostaram de trabalhar, então não tiveram nenhum problema em por a mão na massa junto comigo! Hoje eu vejo que deu certo, Dayane segue agora em outra franquia, junto com o marido. Colocando em prática tudo que aprendeu nesse período em que ficou comigo”, acrescenta.

 

Rosiris e Marcela

Rosiris abriu a segunda loja com o “olhar inovador” da filha Marcela

A mesma rede CNA uniu Rosiris Braga, 64 anos, e a filha Marcela Braga, 36 anos e grávida de oito meses, em uma unidade franqueada. Antes de abrir a própria escola, Rosiris foi professora durante três anos. Em 1996, surgiu a oportunidade para ela e o marido investirem no primeiro empreendimento, no bairro de Itaquera, Zona Leste de São Paulo. Em 2010, ela abriu a segunda escola, também em São Paulo, mas em sociedade com a filha Macela.

Terapeuta ocupacional, Marcela largou tudo para seguir carreira com os pais cuidando das duas unidades. “Trazer a Marcela para empreender junto conosco foi ótimo, pois além de confiar plenamente nela e na profissional que ela é, ela trouxe um olhar mais tecnológico e inovador para as escolas”, diz Rosiris.

Para quem quiser investir na franquia, existem os seguintes modelos: Studio, Compacta, Pequena, Média, Grande e Franquia Escola. Com o investimento total aproximado: a partir de R$ 35 mil.

Fátima e Priscila

Fátima Floriano de Souza, 62 anos, e a filha Priscila Pissardolee, 35, são franqueadas da rede de spas urbanos Buddha Spa. Fátima era gerente de um escritório de advocacia, contabilidade e imobiliário, e sempre teve vontade de empreender em algo fora dessa área. Sua história empreendedora junto com a filha e sócia começou após Fátima ter analisado um contrato da franquia de uma de suas clientes, que estava abrindo uma unidade do Buddha Spa.

Ao pesquisar tudo a respeito da marca, considerou que seria uma ótima opção para iniciar o empreendimento. “Sempre gostei do segmento de saúde e bem-estar e, quando vi que poderia unir um bom investimento com algo que eu gostasse, não poderia perder a oportunidade”, diz Fátima. Com isso, ela propôs à filha abrirem o negócio juntas.

Priscila, que é fisioterapeuta e também sempre teve a ideia de empreender, topou logo. Há mais de três anos se tornaram sócias e hoje administram duas unidades do Buddha Spa em São Paulo. Estudavam abrir a terceira unidade em 2020, mas a pandemia empurrou os planos para 2022.

“Trabalhar com a minha mãe é muito bom, cada uma tem a sua área e ninguém se intromete na função da outra”, diz Priscila. Elas ressaltam que nem sempre tudo são “flores”. Priscila diz que as duas têm personalidade forte, porém existe muito respeito e confiança. “Ter minha mãe como sócia me deixa mais tranquila, já que existe uma melhor compreensão de tudo.”

Para quem deseja investir na marca, o investimento inicial (capital de giro, custo de instalação e taxa de franquia) é entre R$250 e R$450 mil.

Priscyla e Camila

Pryscila e Camila em Guarapuava
Pryscila com a filha Camila: “nos completamos”

 

Quando Priscyla Prado Henrard trabalhava em navios de cruzeiro, em 2017, um colega comentou que estava pensando em abrir uma franquia da Nutty Bavarian. Foi o suficiente para plantar a semente. Ela passou a prestar atenção na marca e, ao fim de cada viagem, quando desembarcava no aeroporto e sentia o cheirinho das castanhas glaceadas, sempre comprava um zip de nuts para levar para casa, mentalizando que um dia teria um quiosque daqueles.

O sonho foi realizado com um quiosque no Shopping Cidades dos Lagos, em Guarapuava, no Paraná, mas com um upgrade: a companhia da filha Camila Henrard Ribeiro Ritter, hoje com 26 anos. “Estamos super realizadas com a escolha da franquia”, diz Priscyla. Ela trabalha na linha de frente do quiosque, e a filha Camila cuida da parte administrativa.

“Adoro trabalhar com ela porque nos completamos. Cada uma tem um ponto de vista e vê as coisas de um jeito diferente. Isso é legal porque, quando jogo uma ideia, ela me ajuda e melhoramos a ação juntas e vice e versa. Isso é fantástico, pois cada dia vamos nos reinventando e nos descobrindo como empreendedoras”, ensina Priscyla.

Para quem quiser investir em um quiosque da marca o valor inicial é de R$ 99 mil reais.

Elisabete e Camila

Elisabete diz que a filha Camila é “braço direito e esquerdo”

Elisabete Garrucho Martins de Lima, 56 anos, e a filha Camila, 31, são franqueadas de outra rede de escolas de idiomas, a Rockfeller Language Center. Elas já haviam trabalhado juntas em outro empreendimento educacional, e em 2020 abriram a franquia em São Caetano do Sul (SP). Desde então, administram juntas.

“Ter a minha filha para dividir o trabalho é muito gratificante”, diz Elisabete. “Ela é meu braço direito e esquerdo. Falamos de trabalho até na hora de dormir.”

Para quem deseja investir na marca, o investimento inicial para o modelo tradicional é de R$ 150 mil a R$ 400 mil e para o modelo compacto é a partir de R$ 90 mil.


/