Congresso Mundial de Arquitetura e o futuro das cidades | Diário do Porto

Evento

Congresso Mundial de Arquitetura e o futuro das cidades

Até o dia 22, profissionais de arquitetura de vários países participam on-line do congresso que, pela primeira vez, é sediado no Rio

16 de julho de 2021


Rio foi declarado Capital Mundial da Arquitetura. Museu do Amanhã é um dos destaques (Foto: Riotur / Alexandre Macieira)


Compartilhe essa notícia:


Começa neste domingo, 18 de julho, o 27º Congresso Mundial de Arquitetos (UIA2021RIO), o maior evento sobre arquitetura já realizado. Previsto para acontecer em julho de 2020 no Rio de Janeiro, o congresso foi adiado devido à pandemia do coronavírus e, pela primeira vez, acontecerá de forma remota. Para se inscrever, é preciso acessar o site (https://www.uia2021rio.archi/) e pagar a taxa de R$ 576,00.

A cerimônia de abertura será no dia 18, às 8h30, e até o dia 22, os congressistas vão assistir a palestras e mesas-redondas com mais de 100 arquitetos premiados internacionalmente, além de apresentações de trabalhos, atividades culturais e premiações.

Com o slogan “Todos os mundos. Um só mundo. Arquitetura 21”, temas importantes ao planejamento urbano, como infraestrutura, eficiência energética, mobilidade urbana, habitação social, saúde pública, patrimônio, cultura, saneamento e uso das águas serão apresentados no congresso. Todo o conteúdo estará disponível em cinco idiomas (português, inglês, espanhol, francês e mandarim).

Arcos da Lapa - Arquitetura do RJ
O Rio de Janeiro foi eleito a primeira Capital Mundial da Arquitetura pela Unesco e pela UIA, em 2019 (Foto: Prefeitura do Rio)

“A transformação do UIA2021RIO em um evento virtual implicou em uma surpresa enorme, porque adquiriu uma dimensão maior do que imaginávamos, com a participação de indivíduos de todos os continentes e um enriquecimento da programação. O Rio se beneficia disso porque se oferece para o mundo todo como local de debates de questões relevantes no século, principalmente com o desafio de discutirmos as cidades pós-pandemia“, comenta Sérgio Magalhães, presidente do Comitê Executivo do UIA2021RIO.


LEIA TAMBÉM:

Roberto Medina anuncia The Town, em São Paulo

Variante Delta da Covid-19 deixa Paquetá em alerta

Arrecadação com royalties do petróleo cresce no Rio


Capital Mundial da Arquitetura

O Rio de Janeiro foi declarado a Capital Mundial da Arquitetura. O título inédito foi concedido à cidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e pela União Internacional de Arquitetos (UIA).

Em março deste ano, tiveram início as atividades virtuais preparatórias do UIA2021RIO, associadas aos 4 eixos temáticos do congresso: Fragilidades e Desigualdades; Diversidade e Mistura; Mudanças e Emergências; e Transitoriedades e Fluxos. Os eventos preliminares tiveram participação de profissionais do mundo todo e apresentações de mais de 380 artigos e projetos desenvolvidos por arquitetos e urbanistas de 43 países

Entre os palestrantes de destaque do UIA2021RIO, estão os arquitetos Francis Kéré (Burkina Faso), Elizabeth de Portzamparc (Brasil/França), Eduardo Souto de Moura (Portugal), Tatiana Bilbao (México), Solano Benítez (Paraguai), Zhang Li (China), Carla Juaçaba (Brasil), Anna Heringer (Alemanha), Francine Houben (Holanda) e Studio Mumbai (Índia).

Alguns dos profissionais com presença confirmada no UIA2021RIO (Foto:UIA2021RIO)

Em paralelo ao congresso, está acontecendo a feira UIA2021RIO Expo, também em formato digital, com exposição de conteúdos com grandes nomes da indústria, sobre produtos e serviços associados à arquitetura, urbanismo, design, mobilidade e construção.

Carta do Rio para a arquitetura

Está prevista para a programação principal do UIA2021RIO a consolidação da Carta do Rio, um documento que deve se tornar referência para a arquitetura e o urbanismo mundiais e atuar como um manifesto dos profissionais dessas áreas.

Ele foi redigido a partir das diretrizes expressas pela ONU, pela ONU- Habitat e pela UNESCO nos Objetivos do Milênio, e busca trazer proposições para as cidades do século XXI, com foco na defesa dos bons espaços públicos, do clima, da saúde pública, da dignidade da moradia e da redução de desigualdades.