Como conviver com a decepção após a derrota olímpica? | Diário do Porto


Nas esquinas de Tóquio

Como conviver com a decepção após a derrota olímpica?

Madrugada sem medalhas para o Brasil mostra que nos Jogos Olímpicos saber lidar com a decepção das derrotas é questão de sobrevivência olímpica

2 de agosto de 2021

Derrota para França marca despedida de Alexandra das quadras (Gaspar Nóbrega/COB)

Compartilhe essa notícia:


Nas esquinas de Tóquio

Vicente Dattoli

A manhã de segunda-feira trouxe um elemento inesperado para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Ou melhor. A chuva torrencial que chegou a interromper algumas provas do atletismo alterou várias situações e provocou tristezas que jamais serão superadas.

Quando a chuva começou a ficar mais forte, algumas atletas do lançamento do disco viram a peça fugir de suas mãos. Seriam oportunidades perdidas. Felizmente os árbitros tiveram o bom senso de cancelar aquelas tentativas e seguimos em frente.

E as chamadas provas de campo só foram interrompidas quando a americana Sandi Morris, medalha de prata na Rio 2016 no salto com vara, começou a sinalizar afirmando que a chuva era forte demais para que as competições prosseguissem.

Quando foi possível continuar, Morris sofreu um acidente (sua vara quebrou) e, ao cair no colchão, acabou indo ao chão, machucando-se. Suas lágrimas, misturadas à chuva, traziam a tristeza e a certeza de que sua Olimpíada terminara. E seus sonhos, provavelmente, também.

Nos 400m com obstáculos feminino, uma dinamarquesa, daquelas que vai à pista como favorita, deu uma derrapada, tocou no obstáculo da raia vizinha e caiu. Perdeu, claro, qualquer chance de medalha. Ainda teve condições, porém, de caminhar até a linha de chegada para incentivar uma amiga ucraniana que esperava a finalização de resultados para saber se chegaria à luta pelas medalhas.

Dois sonhos destruídos e duas reações completamente distintas.


LEIA TAMBÉM:

Ouro brasileiro e festa latina no domingo japonês

No país das pranchas e rodinhas, o futebol ainda respira

Saúde mental, destempero ou apenas antipatia?


Ah… Nosso time feminino de handebol, que já foi campeão do mundo, está eliminado. Uma geração que se acaba, não há como negar. Após a derrota para a França, a ex-melhor do mundo, Alexandra Nascimento, anunciou sua aposentadoria das quadras.

No torneio masculino de vôlei de praia, apenas uma de nossas duplas chegou às quartas-de-final. Alguns “analistas quadrienais” festejavam o fato de podermos ter uma etapa brasileira, garantindo vaga na semifinal. Ainda dá, é claro, mas a chance é única.

E, para finalizar, o Canadá chegou à final feminina do futebol, eliminando os Estados Unidos. Irá enfrentar a Suécia. Nosso caminho para o ouro era possível – e aqui também teremos muito a refletir sobre a tristeza da eliminação precoce.


/