Saúde

Com um caso, Paquetá segue atenta contra o vírus

Com maioria dos moradores empenhada a manter o novo coronavírus fora da ilha, Paquetá segue atenta aos riscos e enfrenta desafios

13 de maio de 2020
Com somente 1 caso da Covid-19 no bairro, Ilha de Paquetá sofre com barcas cheias mas conta com a união dos moradores (Foto: DiPo)

Compartilhe essa notícia:


Em plena Baía de Guanabara, a uma hora do Centro do Rio, a Ilha de Paquetá despontava, na quarta-feira 13, com um caso notificado ao Painel Rio Covid-19. O bairro tenta se preservar como um recanto de tranquilidade, e a população tem se esforçado para evitar a contaminação.

Assim como em todo o país, é possível que Paquetá tenha mais casos da doença, e eles não tenham sido notificados. O estado do Rio já tem quase 20 mil casos confirmados e, como a maior parte dos trabalhadores de Paquetá atua fora da ilha, a exposição ao vírus é grande para quem não pode ficar em casa.

Nem todos agem da forma cuidadosa que se espera. Nas redes sociais, moradores denunciam desrespeito às normas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde e reclamam quando encontram pessoas sem máscaras nas vias do bairro e nas barcas, que às vezes circulam cheias em função da redução dos horários.


LEIA MAIS

Tishman Speyer mantém os planos de investimento no Rio

Crivella restringe obras no Rio e veículos nas Zonas Norte e Oeste

Niterói inicia lockdown por uma semana, para deter a Covid-19


Para o estudante Henrique Lopes, 27, um em cada cinco moradores, em média, ainda resiste ao uso da máscaras de proteção, mesmo sendo um item obrigatório para entrar em estabelecimentos. A taxa de isolamento social na ilha também não se mantém alta: “O movimento está um pouco menor, claro, mas nada que justifique a ausência quase completa do vírus. Os mercados têm sempre pessoas, algumas continuam caminhando nas ruas. Padarias e serviços de deliveries estão funcionando a todo vapor”, diz o estudante.

O Hospital Municipal Manoel Arthur Villaboim, única unidade de saúde da ilha, não realiza testes de Covid-19. O único caso na ilha, um motorista que prestava serviços para a Comlurb, foi transferido de helicóptero para um hospital particular na Zona Norte. A grande preocupação dos moradores é que o hospital local não terá condições de oferecer os cuidados necessários a possíveis pacientes. Na capital, a fila de espera por uma vaga já passa de mil pessoas.

A união dos moradores é mais uma vez demonstrada pela iniciativa “Paquetá sem Fome”, criada pela Morena (Associação de Moradores da Ilha de Paquetá). Moradores e amigos do bairro fizeram na terça-feira 12 doações de cestas básicas e máscaras às famílias com dificuldades financeiras.