Com dancinha na torcida, meninas do vôlei vão à final em Tóquio | Diário do Porto


Nas esquinas de Tóquio

Com dancinha na torcida, meninas do vôlei vão à final em Tóquio

Mesmo com a proibição de público em Tóquio, brasileiros dão um “jeitinho” de furar a segurança para apoiar atletas do País na Olimpíada

6 de agosto de 2021

Meninas do vôlei comemoram ida a mais uma final olímpica (Gaspar Nóbrega/COB)

Compartilhe essa notícia:


Nas esquinas de Tóquio

Vicente Dattoli

Os Jogos Olímpicos de Tóquio foram adiados de 2020 para 2021 em função da pandemia. No ano passado, a aprovação pela realização da Olimpíada superava os 80% entre os japoneses. Era um desejo da população. Tanto que, quando se falou no adiamento, a concordância foi imediata.

O tempo passou e, infelizmente, a pandemia não diminuiu. No Japão, então, houve até uma inversão na avaliação olímpica. A dias do início dos Jogos, o percentual de japoneses contrários aos Jogos batia o índice de favoráveis de um ano atrás

Os interesses envolvidos, porém, são muitos. E lá foram os japoneses receber os Jogos. Uma das medidas adotadas foi cancelar a presença de estrangeiros.

A outra proibir público. Mesmo os locais. Em algumas arenas, fora da região metropolitana de Tóquio, houve presença limita de espectadores. Na cidade sede foi implantado o “público zero”.


LEIA TAMBÉM:

Distrito Empresarial do Porto sai do papel

Feira da Lavradio em pauta na Câmara dos Vereadores

Distrito Empresarial do Porto sai do papel


Quem chegou a Tóquio para participar dos Jogos precisava cumprir quarentenas, ficar isolado, vivia controlado. Tudo foi feito na tentativa de conter a propagação do vírus. O Japão está mal, muito mal na vacinação. Bem… Sem público, sem torcida. Sem gritos. Sem vibração. Meia verdade,

Ainda mais se falarmos do famoso jeitinho brasileiro.

Jeitinho brasileiro em Tóquio

Quem viu as competições de Skate percebeu que sempre havia um grupinho brasileiro fazendo barulho. E, pelo visto, o incentivo valeu. Foram três medalhas de prata conquistadas no estreante esporte. No vôlei foi mesma coisa.

A mesma coisa, nada. Chegou a ser um abuso o que a galera brasileira (atletas e membros de comissões técnicas, na sua maioria) fez nos ginásios.

Na partida semifinal feminina, contra as contidas sul-coreanas, a torcida do Brasil chegou a fazer coreografias no ginásio, E ainda contou com o apoio do DJ que tocou várias vezes músicas brasileiras para animar aquele pessoal. Incluindo Mamonas Assassinas, vejam só.

Felizmente na quadra as meninas corresponderam e vão à final.

Bateram a Coreia do Sul com um tranquilo 3 a 0 e chegam à decisão do ouro como a única equipe dos torneios de vôlei (masculino e feminino) invicta nos Jogos. E tudo isso superando a bomba que foi a notícia do “potencial doping” de Tandara, divulgado na noite anterior à semifinal.

Que continuem assim contra os Estados Unidos, que despacharam a Sérvia, e subam no primeiro lugar do pódio de novo. E com torcida, é claro.

 


/