Clube Empreendedor sai do virtual e desembarca no Porto | Diário do Porto


Empreendedorismo

Clube Empreendedor sai do virtual e desembarca no Porto

Mais uma iniciativa escolhe o Porto Maravilha: Edifício Novocais recebe o Clube Empreendedor, grupos de empresários para negócios e inovação

26 de novembro de 2018

Unimed-Rio vai ocupar 2 andares do edifício Novocais (foto: divulgação)

Compartilhe essa notícia:


Edifício Novocais
Edifício Novocais, no Porto Maravilha, recebe a sede física do Clube Empreendedor (Foto: Divulgação)

A virada do Porto Maravilha, após meses de aparente estagnação, não para. A região se confirma como novo hub de inovação e empreendedorismo com a criação de mais um polo de negócios. Criado em janeiro deste ano e já reunindo mais de 1.200 empresários, microempreendedores individuais e startups cadastrados em sua carteira, o Clube Empreendedor também escolheu a região para instalar sua sede física. O edifício Novocais vai ancorar o novo empreendimento, aberto a partir desta terça-feira (27).

Nascido como uma plataforma online, o Clube viu a necessidade de expandir sua estrutura para um espaço físico com cursos, palestras workshops, reuniões, para atender ao crescimento dos negócios e networking entre os empresários. A sede vai abrigar também empresas e startups a serem aceleradas e incubadas pelos próprios parceiros. Todos eles em busca de serviços e de novos negócios.

“Mais de 4 mil integrantes frequentam nossos eventos e se comunicam por e-mail ou têm alguma atuação no clube. Nossa mala-direta conta com 14 mil contatos para o disparo de promoções, eventos e empreendedorismo. O relacionamento baseado em múltiplos canais é o que tem impulsionado novos negócios”, explica Luis Claudio Leão, diretor do Clube Empreendedor.

Ao DIÁRIO DO PORTO, Leão fala sobre a escolha do Porto para abrigar o novo empreendimento. E reforça que o lugar é a cara do empreendedorismo e do Rio moderno. “O local já abriga empreendimentos de inovação e tecnologia e a nossa ideia é fazer parte desse novo hub. Escolhemos o Novocais do Porto porque ele está inserido nesse novo ecossistema e é um ponto central da cidade do Rio, com fácil acesso para todas as regiões”, pontua.

Rafael Ponzi, outro diretor do Clube, diz que o ambiente é um local para quem deseja empreender, entender melhor o mercado, gerar negócios e fazer relacionamento.  Nesses 11 meses, negócios nas mais variadas áreas já foram fechados. Pelo aplicativo, o Clube realiza o mapeamento de parceiros, possibilita aumento de vendas e divulga projetos e empresas. “Esse novo jeito de empreender, aliando plataformas digitais a contatos no ambiente físico, devem ajudar a alavancar a economia da região”, aposta.

Veja abaixo a entrevista de Luis Claudio Leão ao DIÁRIO DO PORTO:

LEIA TAMBÉM:

Fomento à inovação, uma nova vocação do Porto Maravilha

Fábrica de Startups abre as portas no Porto

Sebrae lança cartilha com dicas sobre negócios na Região Portuária

1 – Por que a decisão de ir para o Porto Maravilha?

Por ser uma região que tem toda a cara do empreendedorismo. Uma região nova, mas ao mesmo tempo tradicional, que tem muito potencial de crescimento e poderá abrigar os novos empreendedores e empresários do Rio de janeiro. Um local que já abriga empreendimentos de inovação e tecnologia, a ideia é fazer parte dessa transformação e desse hub que está se formando. Temos que estar no centro da mudança e inseridos no ecossistema, e esse é o local. Além de todos esses motivos, é um local central da cidade do Rio, tendo saídas para vários outros locais com fácil acesso. Construímos uma parceria com o Novocais por puro alinhamento à estratégia de desenvolvimento urbano e econômico, e a sala era a Galeria Novocais que foi mantida toda a parte da exposição referente ao desenvolvimento histórico do Porto, pois cremos ser muito importantes não só manter mas enfatizar a conexão territorial, característica essencial para que um bairro se destaque.

2 – O que falta para o Porto Maravilha se tornar mais atraente para os empreendedores? 

A formação de um grande ecossistema empreendedor, conectado e engajado, em prol de um único objetivo: o de gerar negócios e oportunidade e com isso contribuir no crescimento econômico diversificado do Rio de Janeiro. Todas as demais condições já estão ao nosso alcance.

3 – Hoje há um esvaziamento grande não só do Porto, mas também do centro da cidade. Como reverter esse processo?

Na verdade, o esvaziamento da região se deu no início do projeto Porto Maravilha com inúmeras obras de infraestrutura ocorrendo em paralelo e gerando transtornos. Mas ao final das obras, as condições de infraestrutura, principalmente logística, ficaram como legado trazendo ao Porto um grande diferencial que quando unido à sua localização estratégica atraem os olhares. No último ano diversas empresas mudaram ou anunciaram sua mudança para os empreendimentos do Porto. Além disso, há inúmeros empreendimento culturais e turísticos na região que estão atraindo milhares de pessoas todos os dias para experienciar esta região da cidade, que ficou tantas décadas escondida no imaginário do carioca.

4 – É possível traçar algumas características próprias do empreendedor no Rio de Janeiro? O que ele tem de diferente?

Entre todas as características cabe destacar a criatividade e o nível de resiliência do carioca, mas ao mesmo tempo, devido ao ambiente hostil dos últimos anos, existem muitos empreendedores que migraram para outras cidades e até para outros países. O grande desafio, em conjunto com gerar uma ambiente favorável ao empreendedorismo, é reverter, a despeito de todas as suas benesses naturais, a imagem negativa do Rio de Janeiro em relação à capacidade de gerar empresas e empreendedores inovadores e que fazem a diferença,  e reter e multiplicar os seus resultados em prol do ecossistemas empreendedores e consequentemente da cidade.

5 – Quais são os setores mais promissores para empreender no Porto Maravilha?

Entendemos que são aqueles que atuam direta ou indiretamente em serviços ou produtos relacionado às vocações principais da região, Turismo, Criatividade e Inovação, abrindo oportunidades para a indústria criativa em todo a sua abrangência (artes cênicas e visuais, música, cinema e vídeo, publicações e mídias impressas, artesanato, patrimônio material e imaterial, design e moda, culturas populares, arquitetura e arte digital) além de oportunidades voltadas à tecnologia. E de maneira transversal e complementar surgem os negócios de suporte à essas atividades além da demanda moderna, e ao mesmo tempo antiga, de aproximar o Morar do Trabalhar, reduzindo assim os deslocamento e gerando maior pertencimento nos cidadão.

SOBRE A NOVA SEDE

O empreendimento ocupa a loja principal do Edifício Novocais do Porto, na fachada principal ao lado da entrada principal. É uma sala de 320 m2 com mezanino com três salas de reunião e uma para cursos, palestras e workshops. As startups e empresas ficarão no andar térreo.

Ao todo, são 38 posições de trabalho. Serão de 8 a 12 startups e pequenas empresas neste primeiro instante. 3 já foram escolhidas no último evento da Rio Info. E temos mais 2 que estão entrando em dezembro: uma de moda e outra de um aplicativo do mercado financeiro.

COMO PARTICIPAR

Para fazer parte do Clube do Empreendedor, basta entrar no site e se cadastrar. Assim que ele se cadastrar ele poderá entrar na plataforma e participar dos chats e já ser convidado para os eventos e se inscrever nos cursos e workshops.

“A nossa expectativa é promover um happy hour e uma palestra por semana. Um workshop, um encontro empreendedor por quinzena, um evento e um curso por mês”, antecipa Rafael Ponzi.

Questionado sobre o critério para aprovação ou não de um interessado em integrar o clube, Rafael explica: “Inicialmente o empreendedor pode entrar na nossa base, e, dependendo das suas ações e negócios poderá participar de mais reuniões e eventos e até ter espaço na casa”.

O Clube vai oferecer também um cartão de sócios, com produtos das empresas e das empresas parceiras, no qual o lucro do cartão será revertido para o próprio clube.  Saiba mais em www.clubeempreendedor.org.


/