Smart cities: uma oportunidade para o Rio | Diário do Porto

Inovação

Smart cities: uma oportunidade para o Rio

Cidade do Rio já liderou o ranking Connected Smart Cities 2021 e agora apareceu na 7ª posição. Já foi pior (14ª em 2019), mas é bom ligar o alerta

4 de setembro de 2021


Smart cities: Rio já foi a primeira, e hoje está na 7ª posição no país (Deposit Photos)


Compartilhe essa notícia:


Artigo

William Figueiredo

 

O Ranking Connected Smart Cities 2021, que acaba de ser divulgado, busca mapear as cidades com maior potencial de desenvolvimento no País. E o Rio de Janeiro aparece apenas na 7ª posição, atrás de outras cinco capitais. Digo “apenas” tendo em vista que a capital fluminense já liderou o ranking, na edição de 2015. Mas, se você preferir olhar o copo meio cheio, houve grande avanço frente a 2019, quando o Rio apresentou seu pior desempenho, ocupando a distante 14ª posição.

Indicadores com melhores desempenho do Rio: Tecnologia e Inovação (1º), Empreendedorismo (2º) e Mobilidade (4º). Cabe destacar o desempenho de Niterói no ranking deste ano, alcançando pela primeira vez a 9ª posição nacional. Indicadores com melhores desempenho: Governança (1º), Urbanismo (3º), Saúde (6º) e Meio ambiente (10º).

Outros municípios fluminenses com mais de 50 mil habitantes no Top 100 do Ranking CSC: Petrópolis (32ª) e Macaé (93ª). São Paulo, manteve a liderança do ranking pelo 2º ano consecutivo, e ainda teve companhia no Top 10 de outras duas cidades paulistas: São Caetano do Sul (6ª) e Campinas (8ª). RJ e SP foram os únicos estados com mais de um município no Top 10.

Smart cities na mira dos investidores

Conheço bem esse estudo, desenvolvido pela Urban Systems, tendo já participado do evento CSC 2019 como palestrante. Na época, eu e a equipe que liderava, Leonardo Ribeiro, CP³P-F e Isaque Ouverney, apresentamos a investidores diversas oportunidades nas cidades fluminenses. Algumas delas hoje já em andamento, como nas áreas de saneamento e iluminação pública.

Construí e divulguei rankings, a nível nacional, por mais 10 anos em minha carreira como economista. Posso afirmar que ranking são balizadores, faróis para os investidores. Estar bem rankeado é estar na mira dos investimentos. Convido os interessados no tema desenvolvimento, sejam agentes públicos ou privados, a dissecar esses dados e buscar focar sua atuação no avanço de seus indicadores.

Pior do que estar mal no ranking é ter uma localidade vizinha bem no ranking, para onde com certeza os investimentos serão direcionados. Estejamos atentos. Do Rio. No Rio. Pelo Rio.

*Economista, especialista em Rio de Janeiro

*Post em página do Linkedin

 


LEIA TAMBÉM:

Entidades empresariais se unem e pedem agilidade por lei do ICMS para aviação

A Noite e outros clássicos do centro no “Feirão da União”

CCBB inaugura mostra sobre Semana de Arte de 22