Cidades inteligentes estarão prontas para novo normal | Diário do Porto


Artigo

Cidades inteligentes estarão prontas para novo normal

Maria Luiza Reis, da Assespro RJ, fala das iniciativas que uma cidade precisa adotar para não perder a corrida da inteligência

4 de março de 2021

Estado e empresas vão trabalhar juntos para desenvolver modelo de cidade inteligente (Deposit Photos)

Compartilhe essa notícia:


Inova mundo

Maria Luiza Reis

Maria Luiza Reis

Assespro RJ

 

Com a pandemia, observamos um rápido movimento para o home office de alguns setores. A necessidade de distanciamento social acabou por romper com o paradigma de que o funcionário deve morar onde a empresa está estabelecida. Esse fato, juntamente com a nova carteira de trabalho digital, foi responsável pela criação de muitas oportunidades de empregos nas mais diversas cidades do Brasil. Para um país com as dimensões continentais como o nosso, essa mudança poderá ser uma revolução no trabalho, na renda e na vida das cidades.

A saúde também estará mais acessível para locais mais remotos, uma vez que a telemedicina está se popularizando, e podemos ter em nossos lares equipamentos antes exclusivos de uso médico, como acompanhamento de batimento cardíaco, pressão arterial, nível de oxigênio no sangue etc.

Como transformar essa amostra de modernidade que atingiu uma fração da população durante a pandemia em realidade para todos? A resposta é: concentrando-se no desenvolvimento tecnológico para empregar uma nova geração e também para tornar nossas cidades mais inteligentes.

Transversalidade

Sabemos que nem todos os setores permitem o emprego livre fora do estabelecimento: as indústrias, o agronegócio e os serviços tradicionais exigem a presença no local de trabalho, mas novos modelos econômicos estão surgindo, e o Brasil tem competência e condições de assumir protagonismo mundial. Estou falando da tecnologia da informação e comunicação, o setor que mais cresce no mundo. A tecnologia é transversal a qualquer atividade econômica e permite até exportar sem complexidade logística.

 


LEIA TAMBÉM:

‘Quem faz a roda do turismo girar é a iniciativa privada’

Governo e Fecomércio RJ lançam o programa Palácios do Povo

Inteligência Artificial é o novo petróleo do Rio


 

Chegou a hora de estados e municípios se mobilizarem para dar mais musculatura ao setor de tecnologia, que, com maior potencial para superar crises econômicas, pode ajudar a alavancar os demais setores. Cidades inteligentes sabem que o setor de tecnologia é essencial não somente para melhorar os serviços públicos, mas principalmente para gerar emprego e riqueza sem grandes obras de infraestrutura ou investimento de bens de capital.

Iniciativas

São várias as iniciativas para incentivar a manutenção de empresas de tecnologia na região:

1. Inventivos tributários 

2. Melhorias da infraestrutura de banda larga 

3. Estímulo às cooperação tecnológica com com centros de pesquisas 

4. Formação profissional de desenvolvimento de sistemas e programação avançada para jovens no Ensino Médio 

Cidades que investirem em educação de qualidade e na atração de empresas de tecnologia sairão na frente para receber moradores com mais renda, que movimentarão mais dinheiro e gastarão mais em serviços. Em todo o mundo, cada vez mais cidades cidades estão prontas para entrar nessa corrida, e o papel do Estado é garantir um ambiente econômico capaz de manter um crescimento saudável e duradouro.

*Maria Luiza Reis é presidente da Assespro RJ 


/