Política

Cesar Barbiero: troca de presidente na Cdurp surpreende empresários

Após gestão difícil na Secretaria de Fazenda, Cesar Barbiero é deslocado por Crivella para a Cdurp, que cuida do Porto Maravilha

15 de março de 2020
Cesar Barbiero: caiu da Secretaria de Fazenda para o Porto

Compartilhe essa notícia:


Foi com apreensão e um certo desalento que empresários do Porto Maravilha receberam a notícia da substituição do presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp) pelo prefeito Marcelo Crivella.

A medida foi vista como um sinal de que o projeto de requalificação urbana da Região Portuária não é uma prioridade para o prefeito. Quem sai é Tarquínio Almeida, que estava na presidência há 8 meses, deixando o cargo para Cesar Barbiero, que por sua vez deixa a Secretaria da Fazenda.

A situação financeira da Prefeitura, apesar dos constantes aumentos de impostos e taxas, não é uma boa credencial para Barbiero, na visão dos empresários ouvidos pelo DIÁRIO DO PORTO. A maneira como Tarquínio foi trocado também não agradou.

Ele despachou normalmente até a última quarta-feira, numa agenda que nos últimos dias incluiu reuniões com empresários para discutir a continuidade de planos e ações para os bairros do Porto. Na quinta-feira, 12 de março, todos ficaram surpresos com a decisão do prefeito e com a sensação de que a Prefeitura não valoriza a interlocução com representantes das empresas.


LEIA MAIS:

Banco Central não tem previsão para retomar obras no Porto

Lojistas da Marechal Floriano querem fim do VLT

Governo promete restaurar Fazenda Colubandê, em S. Gonçalo


Antes de chegar à Cdurp, Tarquínio havia sido presidente da Comlurb, a companhia municipal de limpeza urbana. Ele foi visto desde sua posse como um técnico de alta capacidade para conciliar interesses diversos no desenvolvimento do Porto Maravilha.

Tarquínio de Almeida aponta para mapa do Porto Maravilha
Tarquinio de Almeida, ex-presidente da Cdurp

Graças a esse perfil, conseguiu em pouco tempo desarmar provisoriamente duas grandes bombas que ameaçavam a continuidade do projeto. A primeira era a saída da Concessionária Porto Novo do último serviço que ainda desenvolve na região, a manutenção dos túneis Marcelo Alencar e Rio 450. A empresa mantém uma equipe de técnicos que impede diariamente os túneis de serem inundados pelo mar. A segunda crise era a possibilidade de paralisação do VLT, modal de transporte que é o símbolo da modernização da Região Portuária e do centro da cidade.

Em ambas, Tarquínio conseguiu costurar acordos que mantiveram os serviços funcionando, ganhando tempo para soluções definitivas, que ainda não foram fechadas. Os empresários do Porto contavam com ele para isso. Um deles disse que sua saída é semelhante à troca de um jogador fundamental durante uma partida que ainda não foi ganha.

Cesar Barbiero assume em meio a esse cenário de descrédito, que é ampliado pelos efeitos de desaceleração econômica do coronavírus, que terá grande impacto nos setores de serviços, principalmente no turismo. Bastidores de sua saída dizem que ele procurava uma colocação menos estressante na estrutura da Prefeitura. A Cdurp não é exatamente um local para descansar.