Celular é o principal acesso à internet, no Rio e no Brasil | Diário do Porto


Infraestrutura

Celular é o principal acesso à internet, no Rio e no Brasil

Brasileiros dizem que celular é o principal meio para acessar serviços digitais, segundo pesquisa realizada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento

15 de abril de 2021

O celular é o principal canal de acesso aos serviços digitais públicos no RJ (Imagem de Free-Photos por Pixabay)

Compartilhe essa notícia:


Quase a maioria (96% da população) do Estado do Rio de Janeiro afirma ter acesso à internet por meio do telefone celular e 90% por meio de Wi-Fi em casa. As médias brasileiras são de 95% e 87%, respectivamente. Além disso, 82% dizem que já estavam adaptados ao mundo digital ou se adaptaram a ele com nenhuma ou pouca dificuldade. Os dados são de uma recente pesquisa realizada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Os participantes do levantamento no Estado do Rio também afirmaram que a principal forma de acesso a serviços digitais públicos e privados é o celular (87%, equivalente à média nacional). Ao todo, 41% dos participantes relataram ter feito procedimentos por meio digital ou telefônico com o Governo do seu Estado nos últimos 12 meses (a média nacional é de 40%).

O estudo é o maior já realizado na América Latina e Caribe com foco em uso de serviços públicos digitais por parte dos cidadãos. O levantamento foi realizado por telefone em todo o Brasil entre 6 de outubro e 10 de dezembro de 2020, já durante a pandemia, com amostras representativas para cada um dos 26 Estados e para o Distrito Federal.

“Nosso objetivo é apoiar o país, tanto no nível federal, quanto nos Estados e municípios, a identificar fortalezas e oportunidades de melhoria na transformação digital de seus governos”, explica Morgan Doyle, representante do BID no Brasil.

Segundo ele, os números revelam elevados níveis de conectividade e de adaptação para o desempenho de atividades digitais entre a população fluminense e representam oportunidades para a ampliação e o aperfeiçoamento de serviços online oferecidos pelo poder público.

Realizada pelo BID para incentivar governos a consolidarem a digitalização acelerada pela pandemia, a publicação traz dados de uso de serviços digitais públicos e privados, avaliação dos serviços, preferência de uso dos serviços e dados de conectividade. Em todos os quesitos, o critério utilizado é a auto-declaração dos entrevistados.

Terceira de uma série de quatro publicações com o mote “Transformação digital dos governos brasileiros”, a pesquisa é realizada em um contexto em que o poder público precisará otimizar o uso de seus recursos, afetados pela crise pandêmica. Nesse sentido, a digitalização é uma saída estratégica para manter e até ampliar o oferecimento de serviços públicos de maneira mais custo-efetiva.


LEIA TAMBÉM:

Edifício Aqwa, no Porto Maravilha, recebe a Icatu Seguros

Brasileiros aprovam telemedicina em tempos de pandemia

Comércio precisa de apoio para sobreviver a isolamento


/