Cedae atrai interesse da China e de outros países | Diário do Porto

Investimentos

Cedae atrai interesse da China e de outros países

Chineses veem na Cedae, companhia de água e esgoto do Rio, oportunidade para expansão no Brasil, onde já têm mais de US$ 100 bilhões investidos

19 de dezembro de 2020
Cedae terá leilão que prevê investimentos de R$ 30 bilhões. Chineses são grandes interessados (foto: Cedae / Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


Deve ser publicado na próxima semana o edital de concessão à iniciativa privada das áreas de distribuição de água, coleta e tratamento de esgoto da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae). A concessão atrai o interesse de diversos investidores, entre eles grupos da China e de outros países.

Os chineses são considerados os mais fortes concorrentes pela Cedae, pois têm disponibilidade de capital para investimento e contam com a determinação de seu país. A China vê no setor de obras e concessões oportunidade para expansão de suas exportações e consolidação de sua geopolítica. O Brasil chegou a ter uma política semelhante, mas nos últimos anos deixou de ser relevante nos mercados externos.

A Cedae é um dos principais ativos do plano de concessões na área de saneamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O leilão, prometido para o primeiro semestre de 2021, prevê uma concessão de 35 anos com investimento de mais de R$ 30 bilhões de reais.

Cedae também atrai fundos árabes e do Canadá

O superintendente da Área de Estruturação de Parcerias do BNDES, Cleverson Aroeira, disse em reportagem da Agência Brasil, que o banco tem conversado com mais de 20 potenciais investidores estrangeiros. Além da China, há fundos soberanos árabes, fundos de pensão e de investimentos do Canadá, além de operadores de saneamento que já atuam no país, como Aegea, BRK Ambiental e Águas do Brasil.

Entre os chineses, há um grupo que controla a concessão de abastecimento de água do município de São Lourenço, em São Paulo. Essa empresa, Sistema Produtor São Lourenço, foi criada em 2013 para desenvolver uma Parceria Público-Privada (PPP) com a Sabesp, companhia de saneamento do Governo paulista. A PPP é o primeiro investimento no Brasil do grupo China Gezhouba Group Corporation (CGGC).

O Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC) estimou no início deste ano que os investimentos de empresas chinesas no País, de 2007 a 2018, alcançaram US$ 100,5 bilhões, entre aportes anunciados e confirmados, envolvendo quase 200 projetos finalizados ou em andamento.

A partir de 2014, o setor de geração e transmissão de energia do Brasil recebeu grandes investimentos de empresas estatais chinesas, como a State Grid Brazil e a China Communications Construction Company (CCCC). Ao mesmo tempo, os investimentos no agronegócio passaram a ganhar maior relevância, com a entrada de empresas chinesas como a Cofco e a Dakang International.


LEIA TAMBÉM:

China fará ponte na Bahia maior do que a Rio-Niterói

China é o principal comprador do petróleo exportado pelo Rio

Fecomércio-RJ na guerra contra a Covid-19 e por empregos