Casa França-Brasil celebra 200 anos com nova exposição | Diário do Porto


Programação

Casa França-Brasil celebra 200 anos com nova exposição

Nova exposição na Casa França-Brasil faz referências à história da construção e tem o nome de “Casa Aberta – Passagens”, para lembrar os usos do local

4 de março de 2021

Casa França-Brasil foi construída por ordem do rei dom João VI, a partir de 1819 (foto: Casa França-Brasil / reprodução da Internet)

Compartilhe essa notícia:


Com a exposição Casa Aberta-Passagens, o Centro Cultural Casa França-Brasil reabriu, após quase um ano fechado por causa da Covid-19. E o retorno celebra os 200 anos de construção do espaço e os 30 anos do seu uso como equipamento cultural, ambos completados durante a pandemia.  O espaço fica ao lado do Boulevard Olímpico,  no Centro do Rio de Janeiro.

Foram convidados para participar da mostra dez artistas, que segundo a direção do centro cultural celebram, serve para estimular novas vivências, gerando reflexões sobre toda a trajetória do local. A construção foi projetada pelo arquiteto da Missão Artística Francesa, Grandjean de Montigny, e encomendada em 1819 pelo rei D. João VI.

Casa França-Brasil
A Casa França-Brasil reabre após fechamento de quase um ano (Foto: Tânia Rego/ Agência Brasil)

Casa França-Brasil relembra fatos históricos

A mostra faz referência aos vários usos do prédio, lembrando das fases Praça do Comércio, Alfândega, Arquivo, Tribunal do Júri e Centro Cultural. Além disso, a exposição traz à memória fatos históricos e políticos ocorridos no país, como a escravidão e a ditadura militar. Surgiu daí a inspiração para o nome “Casa Aberta – Passagens”, em referência ao local em si, mas também aos fatos e a passagem do tempo.

O curador da mostra, Ricardo Resende, disse em entrevista à Agência Brasil, que a Casa França-Brasil funcionou no passado durante mais de 100 anos como uma alfândega, um espaço de passagem “de mercadorias e almas” que entravam e saíam do Brasil, incluindo ouro, diamantes, café e até escravos, que foram transformados em “mercadoria humana”.

A visitação da Casa França-Brasil só será feita com o uso obrigatório de máscara e de álcool em gel. Serão permitidas apenas 10 pessoas por vez, mesmo com o espaço sendo grande e bem ventilado.

A exposição tem patrocínio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal, por meio da Lei Aldir Blanc.


LEIA TAMBÉM

Prefeitura fecha bares à noite e adota toque de recolher

‘Quem faz a roda do turismo girar é a iniciativa privada’

Docas do Rio renova contrato da Petrobras, no Porto


/