Casa da Democracia reforçará sentimento de liberdade | Diário do Porto


Artigo

Casa da Democracia reforçará sentimento de liberdade

A Casa da Democracia será um caminho de recuperação histórica, de descobertas, dores, desejos e olhares dos atores desta grande história

20 de abril de 2022

Cenário da história do Brasil, Palácio Tiradentes será a Casa da Democracia (Thiago Lontra/Riotur)

Compartilhe essa notícia:


Maria Lúcia Jardim

Maria Lúcia Jardim

Superintendente da Curadoria do Palácio Tiradentes

 

Este ano de 2022 tem um significado histórico. Neste 21 de abril, relembramos os 230 anos da morte de Tiradentes, herói da inconfidência mineira e que dá nome ao Palácio Tiradentes. É neste ano também que comemoraremos os 100 anos do lançamento da pedra fundamental do Palácio e os 200 anos da declaração da Independência do Brasil.

Acompanhar estes caminhos históricos, tendo o Palácio como espaço de referência histórica, no qual ocorreram os momentos mais significativos e o protagonismo de lideranças políticas, são motivos que impulsionaram a criação de um novo centro de memória no Rio de Janeiro, a Casa da Democracia. Ela contará a história da República, desvendando a arte e a arquitetura do próprio Palácio e o caminho trilhado para a chegada à democracia.

Mais do que uma casa de leis, o Palácio Tiradentes é o locus privilegiado da memória do herói nacional. Antes de erguer o Palácio, ali ficava o antigo prédio da Cadeia Velha, onde Tiradentes ficou preso por três anos enquanto aguardava a sentença e a execução na forca.

Vem deste período também a tradição legislativa, já que o piso superior da Cadeia Velha abrigava a Câmara Municipal. Após a Proclamação da Independência, a Cadeia Velha passou a abrigar a Assembleia Geral Constituinte Brasileira. Em 6 de maio de 1826, instalou-se ali o primeiro Congresso Legislativo do Brasil. Este caminho legislativo se consolida com o lançamento da pedra fundamental do Palácio Tiradentes em 1922 e sua inauguração quatro anos depois.

Casa da Democracia

A Casa da Democracia vai enaltecer a perenidade deste local tão especial, reforçando o sentimento de liberdade e o reconhecimento a todos que contribuíram para que chegássemos ao voto livre, aos direitos iguais, enfim, ao Estado Democrático. Ela parte da visão de ressignificação da evolução da construção democrática e da história republicana, com espaços interativos de apreciação e valorização do patrimônio material e imaterial do Palácio.

O projeto usará a tecnologia no relacionamento com o público e nas formas lúdicas de conhecimento, permitindo a vivência de momentos históricos e a emoção do olhar sobre fatos e personagens da resistência democrática. Vai explorar tecnologias imersivas e interativas, que possuem grande potencial de aplicação quando integradas às reconstruções históricas, usar a a tecnologia para conectar, vivenciar e interagir com personagens de nossa história democrática e republicana.

A Casa da Democracia constitui-se em um caminho não só de recuperação histórica, mas de descobertas, dores, desejos e olhares dos atores desta grande história, percorrido em circuitos expositivos e espaços temáticos.


LEIA TAMBÉM:

Pela democracia, Rio terá Semana Ulysses Guimarães

Saiba quem foi Tiradentes, o mártir da Independência

Exposição no CCBB RJ põe “Brasil no centro do mapa”


/