Caminhos do Brasil-Memória: museus pedem segurança | Diário do Porto


Turismo

Caminhos do Brasil-Memória: museus pedem segurança

Segurança e iluminação são prioridades para gestores de museus reunidos pelo projeto Caminhos do Brasil-Memória na Sala de Leitura da Alerj, na Praça XV

30 de maio de 2019

Paço Imperial, o prédio mais importante da História do Brasil (foto DiPo)

Compartilhe essa notícia:


Qual cidade do mundo seria capaz de deixar ao relento, escura e insegura, a praça mais importante da história de sua nação, com construções incríveis pelas quais passaram reis, imperadores, nobres, colonos e escravos de vários continentes, com grandes museus e centros culturais? Você disse Rio de Janeiro?

Insegurança, iluminação pública precária e acessibilidade ruim são as preocupações principais dos gestores de equipamentos culturais no entorno da Praça XV. Foi o que eles levaram para o encontro desta quinta-feira (30/05) do projeto Caminhos do Brasil-Memória, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

A Alerj fica no Palácio Tiradentes, que aos 93 anos ganhou um moderno sistema de iluminação artística, consolidando-se como ponto turístico noturno. O Caminhos do Brasil-Memória foi criado pelo subdiretor-geral de Cultura da casa, Nelson Freitas, em parceria com o Museu Histórico Nacional, Museu Naval, Museu da Justiça e o Paço Imperial.

Reunião dos museus foi na sala de leitura do Palácio Tiradentes
Reunião dos museus foi na sala de leitura do Palácio Tiradentes

Aberta pelo presidente da Alerj, deputado André Ceciliano (PT), a reunião foi na sala de leitura da biblioteca do Palácio Tiradentes. O grupo quer ampliar a visitação aos museus no centro, essencialmente à noite e aos fins de semana. Com mais público, a região pode criar mais empregos e contribuir para o desenvolvimento econômico do estado.

“Iremos produzir atividades artístico-culturais em conjunto e individualmente para ampliar o valor ao projeto”, disse Nelson Freitas. Ele ressalta a disposição de criar uma visita guiada para conduzir o turista pelo circuito histórico dos cinco museus.

 


VEJA TAMBÉM:

Agora vai? Roda gigante remarcada para novembro

As novidades do Taxi.Rio, que estará no Rio Montreaux Festival

Encontro Comunica Rio soma forças pelo turismo


 

“Juntos poderemos formar um novo público, pois a maioria dos visitantes, nos fins de semana, é de turistas. Queremos mais mobilidade e segurança para o carioca e o fluminense”, destacou a coordenadora técnica do Museu Histórico Nacional, Vânia Bonelli.

O subinspetor da Guarda Municipal Henrique Gonçalves disse que o modelo de carros elétricos usados em eventos pode ser implantado na região. Mas isso depende de um estudo técnico e de viabilidade.

A próxima etapa de trabalho do Caminhos do Brasil-Memória é a elaboração dos planos setoriais. As reuniões contarão com Fecomercio-RJ, Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), Firjan, Supervia, MetrôRio, VLT Carioca e CCR Barcas.

Também participaram do encontro representantes da Comlurb, da CET Rio, do Museu da Justiça, do Museu Naval, da Polícia Militar e da RioLuz. Com o engajamento de tanta gente influente e tantos órgãos estratégicos, o Centro ganha uma chance rara de receber o carinho e o investimento certeiro que sua história merece. O Rio de Janeiro agradece.

O DIÁRIO DO PORTO torce! Um bom começo poderia ser a demolição do prédio anexo da Alerj, aquele caixote de vidro que quebra a harmonia arquitetônica da Praça XV. Alô, presidente Ceciliano.


/