Câmara Municipal quer combater poluição sonora no Rio | Diário do Porto


Política

Câmara Municipal quer combater poluição sonora no Rio

Projeto aprovado na Câmara Municipal prevê que em até 5 anos seja realizado um Mapa de Ruídos na cidade do Rio

26 de junho de 2022

Nova lei quer mapear e disciplinar a emissão de barulho, como as de blocos de Carnaval (Foto: Câmara de Vereadores / Divulgação)

Compartilhe essa notícia:


A Câmara Municipal do Rio de Janeiro aprovou nessa semana, em Sessão Extraordinária, o Projeto de Lei 14/2017, de autoria do vereador Cesar Maia (PSDB) que obriga a Prefeitura do Rio a elaborar, em até cinco anos, o Mapa de Ruído Urbano da cidade. Esse mapa seria uma ferramenta de apoio às decisões para o planejamento e ordenamento urbano, com identificação de áreas prioritárias para redução de barulho e preservação de zonas com níveis sonoros apropriados.

O Rio de Janeiro ser uma cidade barulhenta não é novidade para ninguém. Segundo o Conselho Regional de Fonoaudiologia, esta poluição pode acarretar problemas como insônia, fadiga, falta de concentração, perda da audição, danos ao sistema nervoso central, alteração de comportamento, entre outros. Dessa forma, resolver esse problema, que parece muitas vezes esquecido, é de grande importância para o bem-estar dos cariocas.


LEIA TAMBÉM:

Maricá facilita acesso a medicamentos especiais

Projeto da Alerj para recuperar o Centro agora é lei

Firjan prevê investimentos de R$ 20 bilhões em gás natural


Projeto da Câmara Municipal tem como base exemplo português

Criador do projeto, o vereador César Maia ressalta um exemplo bem-sucedido de mapeamento de ruído que foi feito em Lisboa, capital de Portugal. “É preciso identificar e implementar inovações que permitam que o Rio de Janeiro respeite os novos parâmetros de gestão da ambiência e o mapeamento proposto por este projeto é um exemplo disso”, ressalta o parlamentar”, afirma Maia.

O parlamentar ainda conclui dizendo que uma decolagem de aeronave no aeroporto Santos Dumont, por exemplo, chega a 120 decibéis, nível este quase no limite da tolerância humana. Outro defensor do projeto, o também vereador Paulo Pinheiro (PSOL), destaca a falta de bom senso de muitos lugares. “Há um desrespeito completo hoje em dia. Mais de 26 associações de moradores estão se mobilizando para exigir isolamento acústico de bares e locais que abusam do som. Esperamos que esse mapa ofereça melhores condições de fiscalização pelo poder público municipal”, conclui o vereador do PSOL.


/